Corte ameaça formação de professores da rede pública

Programa que concede bolsas a universitários está presente em 297 escolas

Por O Dia

Rio - O aperto orçamentário proposto pela União começou a atingir a Educação. Está previsto um corte de R$ 785 milhões para a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), responsável pelo Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (Pibid), que incentiva alunos de cursos de licenciatura a se dedicarem à educação básica. Com isso, no estado, 297 escolas públicas podem deixar de receber bolsistas que desenvolvem projetos de aperfeiçoamento para se tornarem professores das redes municipal e estadual.

No estado, o Capes firmou convênio com 19 universidades. Ao todo foram contempladas 297 escolas que recebem 3.187 alunos de diversos cursos de licenciatura e ganham uma bolsa de R$ 400. O estudante de História da UFRJ Edson Damasceno, de 25 anos, é bolsista há um ano e seis meses. “ Podemos ir além dos ensinamentos da faculdade que são teóricos e vivenciar o dia a dia da comunidade escolar”, diz o bolsista. A supervisora de Edson no Pibid, a professora Rafaela Albergaria vê os cortes previstos como uma perda: “O projeto melhoraria a educação básica a médio prazo porque os bolsistas quando se tornam professores já possuem uma identificação com a educação pública.

Estudantes universitários fizeram protesto ontem no Centro%3A entre as reivindicações%2C a manutenção do PibidUanderson Fernandes / Agência O Dia

A Capes informou que nenhum bolsista terá sua bolsa cortada, embora ela possa não ser renovada. Além disso, o número de bolsas em futuros editais pode cair. No fim da tarde de quinta-feira, cerca de 300 servidores federais de universidades fizeram uma caminhada entre a Candelária e a Cinelândia. A manutenção do Pibid era uma das reivindicações.

Últimas de Rio De Janeiro