'Ele atirou por pura maldade', diz delegado sobre assassino de PM

Policial da UPP São Carlos, Denner de Almeida Barros morreu nesta quinta-feira e policiais buscam suspeito

Por O Dia

Rio - Responsável pela investigação do assassinato do policial militar Tarsis Doria Noia, da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do São Carlos, o delegado André Leiras, da Divisão de Homicídios da capital (DH) afirmou que o suspeito de matar o sargento é 'cria' da comunidade e atirou no PM "por maldade". 

Tarsis Doria Noia estava na PM desde 2001 e começou a trabalhar na UPP São Carlos em 2014WhatsApp O DIA (98762-8248)

Suspeito de assassinar o PM, Denner de Almeida Barros, conhecido como ‘Baianinho’ ou ‘DH’, de 20 anos, teve ontem a prisão temporária decretada pela Justiça. O policial, assassinado com um tiro no peito na quinta-feira, foi sepultado nesta sexta-feira no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, Zona Oeste do Rio. O Portal dos Procurados lançou nesta tarde um cartaz com recompensa de R$ 2 mil, por informações que levem a prisão do criminoso.

“O Baianinho é ‘cria’ do São Carlos e atirou no policial por atirar, sem qualquer motivo, apenas por pura maldade. Matou por motivo fútil. É muito perigoso. Quando for preso e caso seja condenado, pode pegar de 12 a 30 anos de reclusão”, afirmou o delegado André Leiras. 

Leia mais:

Justiça decreta prisão de suspeito de matar PM no São Carlos

Policial morre após ser baleado no São Carlos

Baianinho esteve preso entre outubro e novembro de 2013, e depois ingressando novamente no dia 20 de março do ano passado, saindo em liberdade quatro dias depois. Ele possui em sua ficha criminal, anotações por desacato, lesão corporal, roubo, furto, e resistência.

Nesta sexta-feira, agentes do Batalhão de Ações com Cães (BAC) fizeram uma operação no Morro do São Carlos. O policiamento na região foi reforçado e equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) estão na comunidade realizando ações de vasculhamento.

O sargento Tarsis Doria Noia estava na corporação desde dezembro de 2001. O militar, que estava na UPP São Carlos desde outubro de 2014, era casado e deixou um filho.

Este é o segundo caso de policial baleado no São Carlos em menos de 24 horas. Na quarta, um outro policial já havia levado um tiro no braço.No dia 13 de junho, um policial foi ferido no ombro na localidade conhecida como Escadaria do Dedé.

Últimas de Rio De Janeiro