Por tabata.uchoa

Rio - Uma iniciativa da Polícia Civil junto ao Ministério Público, ao Tribunal de Justiça do Rio e à Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (Andef) possibilitou melhorias na 75ª DP (Rio do Ouro), em São Gonçalo. A unidade, uma das poucas não incluídas no Programa Delegacia Legal, estava em péssimas condições até há pouco tempo. Nela, eram usadas máquinas de escrever.

A ideia de buscar ajuda para reduzir os problemas da delegacia foi do delegado-titular Leandro Aquino. Em julho do ano passado, ele pediu, e a Justiça autorizou, que parte do material apreendido em um bingo da região fosse cedido à unidade. A delegacia de Rio do Ouro ganhou, então, 15 cadeiras, cinco aparelhos de ar-condicionado e três de TV.

A 75ª DP (Rio do Ouro) ganhou computadores%2C que facilitam trabalho. Antes%2C tinha máquinas de escreverEstefan Radovicz / Agência O Dia

A doação beneficiou cinco instituições de caridade de São Gonçalo, escolhidas pela Central de Penas do Juizado Especial Criminal. A decisão de liberar os bens foi do juiz do 1º Juizado Especial Criminal (Jecrim), Antonio Augusto de Toledo Gaspar. “E o melhor é que não tivemos mais notícias de que o bingo voltou a funcionar, como aconteceu tantas outras vezes”, disse o delegado Leandro Aquino.

Algumas das penas aplicadas aos réus do Jecrim também são revertidas para a delegacia. “Como se tratam de crimes de menor potencial ofensivo, as penas são alternativas. Elas são convertidas em dinheiro, com o qual compramos material para escritório. As quantias são baixas”, explica Aquino.

Já a reforma do imóvel onde funciona a 75ª DP — a casa é alugada — foi feita com a ajuda da Andef, que doou material e mão de obra.

O antigo balcão de atendimento com a máquina de escrever deu lugar a uma ampla sala de espera com sofá de alvenaria, ar-condicionado e TV, na qual são exibidos vídeos institucionais e de campanhas. A área nos fundos, que era depósito de material apreendido e intransitável, foi dividida em salas.

Uma delas virou setor de investigação. E as máquinas de escrever foram substituídas por computadores ligados ao sistema do Programa Delegacia Legal, o que facilitou o contato com as outras delegacias de São Gonçalo.

Melhorias ajudam até a reduzir número de crimes

Apesar das melhorias, o delegado Leandro Aquino reconhece que as condições ainda não são as ideais. “Mas conseguimos tornar o prédio viável e isso aproxima a gente da comunidade, o que é muito importante”.

Segundo ele, as melhorias deram condições de trabalhar melhor. “Já notamos resultados nos índices de criminalidade, que conseguimos baixar”, diz Aquino, que pediu à Justiça a cessão de duas motos e um carro apreendido.

A iniciativa foi elogiada pelo diretor do 4º Departamento de Polícia de Área (DPA), Sergio Caldas, e o feito foi parar na ficha funcional de Aquino. Caldas sugere que os outros delegados façam o mesmo. “Ele está fazendo uma gestão muito importante, com parcerias muito relevantes. Estamos tentando interiorizar essa necessidade nos outros gestores da região”, elogiou.

O diretor ressaltou a importância da inclusão do sistema da 75ª DP no Programa Delegacia Legal. “Isso deu qualidade ao trabalho, ajudando a aumentar o volume de elucidações dos crimes, além de qualificar a mancha criminal”, avaliou.

Ainda não há prazo para ela ser transformada em Delegacia Legal. A mudança depende de a prefeitura de São Gonçalo doar um terreno à Polícia.

Você pode gostar