Carro do arcebispo do Rio, Dom Orani, levado por criminosos é encontrado

O crucifixo presenteado pelo Papa João Paulo II, também levado no assalto, não foi encontrado

Por O Dia

Rio - O carro do cardeal arcebispo do Rio, Dom Orani Tempesta, foi encontrado nesta segunda-feira por agentes da Polícia Militar na Rua Mambucaba em Coelho Neto, na Zona Norte, próximo à comunidade do Mundial. Dom Orani foi vítima de um assalto na noite deste domingo e teve seu carro roubado na Rua Goiás, em Quintino, também na Zona Norte.

De acordo com agentes, no Kia Sorento preto estavam roupas e batinas de Dom Orani. Vizinhos teriam visto dois menores deixando o carro no local.  O crucifixo presenteado pelo Papa João Paulo II, também levado, não foi encontrado. Pouco antes, em coletiva no Outeiro da Glória, o arcebispo do Rio criticou a falta de segurança na cidade.

Carro foi recuperado com batinas de Dom Orani%2C mas crucifixo continua sumidoDivulgação

"É sempre desagradável um episódio desse tipo, que demonstra quanto ainda esta cidade precisa de carinho. Também nos faz refletir o que cada um de nós pode fazer para melhorar a vida em sociedade", afirmou Dom Orani, ressaltando que a italiana Madalena Critpa, de 53 anos, também estava no carro comentou que, aparentemente, os quatro homens seriam menores de idade.

Recentemente Dom Orani manifestou publicamente ser contra a redução da maioridade penal. "Prender crianças não é a solução. Vão fazer de presídio pós-graduação. O relógio, o celular e o cordão com um crucifixo de prata de Dom Orani desapareceram, assim como cartões de crédito das demais vítimas. “É o mesmo crucifixo levado no primeiro assalto, em meados de setembro, em Santa Teresa. Naquela ocasião, os criminosos devolveram. Espero que façam o mesmo agora”, apelou o cardeal, lembrando que o crucifixo é um presente ganho do Papa João Paulo II.

Batinas de Dom Orani também foram recuperadasDivulgação

Dom Orani relevou ainda que pouco antes do assalto havia deixado dois seminaristas que também estavam no veículo na região de Pilares. O motorista Aluisio Araújo foi levado pelos bandidos e libertado 200 metros adiante disse, de acordo com Dom Orani, que chegou a comentar com os ladrões que se tratava do arcebispo e um dos bandidos respondeu: 'Eu sei que é o cardeal", e ordenou para que descesse do carro.

“Nervosos e aparentando estar drogados, levaram, em pouco mais de 30 segundos, nossos pertences. O motorista (Aluízio Araújo) foi levado pelo bando, mas, graças a Deus, acabou liberado a uns 200 metros”, contou Dom Orani. Ele cochilava, quando o veículo parou bruscamente. Em nota, a Arquidiocese destacou que a situação enfrentada por Dom Orani “demonstra que o cardeal não está distante da realidade de seu povo” e que ele “ vive as mesmas realidades do rebanho”.

O assalto

De acordo com informações da Polícia Civil, ele estava no carro por volta das 22h40 com um casal de amigos italianos e seu motorista, quando um veículo com quadro bandidos armados se aproximou. É o segundo roubo que Dom Orani sofre em menos de um ano.

Dom Orani não foi ferido, mas deixou todos os pertences para trás. O motorista do carro chegou a ser levado pelos criminosos, mas foi deixado a cerca de 200 metros do local do crime. Ele prestou depoimento na 24ª DP (Piedade) e o caso foi encaminhado para a 28ª DP (Campinho), responsável pela área onde ocorreu o roubo. A polícia procura o carro, que possui sistema de rastreamento.

Arcebispo concedeu entrevista coletiva nesta segunda-feira no Outeiro da GlóriaFoto%3A Severino Silva / Agência O Dia

Dom Orani já havia entrado para as estatísticas de vítimas de criminosos no Rio em setembro do ano passado: ele teve seus pertences roubados em um assalto à mão armada em Santa Teresa, quando se deslocava do Sumaré em direção à Glória.

Na ocasião, o cardeal estava acompanhado por um motorista da Arquidiocese, um fotógrafo e um seminarista, e ninguém ficou ferido. Ele chegou a ser reconhecido pelos bandidos, que ainda assim não desistiram do roubo.

Na época, Dom Orani lamentou o episódio. "Vendo aqueles jovens com arma na mão, vi que nós temos uma grande responsabilidade, o mundo tem que ser diferente. Isso não é ser bonito, isso não é ser herói. Herói é quem é trabalhador. É muito triste ter que ver isso”

A região onde o cardeal foi atacado teve aumento de 32% de roubo de veículos de janeiro a maio deste ano (358), comparado com o mesmo período de 2014 (271). O 9º BPM (Rocha Miranda) informou ter reformulado o planejamento operacional.

Colaboraram Diego Valdevino, Leandro Resende e Maria Inez Magalhães

Últimas de Rio De Janeiro