Em enterro de PM, comandante diz que UPPs sofrem atentados orquestrados

Em 2015, sete policiais militares lotados em UPPs morreram durante o trabalho

Por O Dia

Rio - Morto com um tiro na cebeça em um ataque de bandidos no Morro do Andaraí, o PM Alex Amâncio foi enterrado na tarde desta terça-feira no cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste.  O policial foi atingido faltando apenas 10 minutos para o fim do expediente na UPP do bairro da Zona Norte. O soldado estava lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da comunidade há seis meses. Antes, integrou o Batalhão de Choque.

No sepultamento estiveram presentes, além de amigos e familiares, o coordenador geral das UPPs, Major Ivan Blaz, e o comandante da UPP do Andaraí, capitão Sanches. O PM estava há cinco anos na corporação e deixa a esposa e uma filha de três anos. Em 2015, oito policiais militares lotados em UPPs morreram durante o trabalho. Blaz afirmou que as UPPs sofrem ataque orquestrado de criminosos.

"Estamos sofrendo uma série de atentados que visam retirar o nosso policiamento do terreno. São ações orquestradas por criminosos que estão buscando meios de retomar o espaço nas suas antigas áreas de atuação. Nós que aqui ficamos nos resta o dever moral de encontrar esses criminosos e levá-los à lei. Nós policiais militares precisamos atuar drasticamente contra esses criminosos. Encontrá-los e levá-los à lei", disse o major.

Blaz elogiou o policial Amâncio. "Era um policial cumpridor dos seus deveres, que estava na sua atividade fim, a sua missão. O tiro  que atingiu o policial Amâncio é a mesma munição que atinge o morador da comunidade. Por isso, solicito o apoio da população como um todo para que possamos obter informações, através do Disque-Denúncia, para prender esses criminosos e livrar de uma vez por todas essas comunidades dessa realidade infeliz". 

O policial militar Alex Amancio%2C de 34 anos%2C foi morto na noite de segunda-feira%2C no Morro do Andaraí. Ele era lotado na UPP Andaraí há seis mesesReprodução Facebook

PM ferido por estilhaços no ataque, Paulo César Barbosa foi socorrido ao Hospital Federal do Andaraí, recebeu um curativo e foi liberado em seguida.

Três suspeitos de terem atirado contra os militares foram detidos e levados para a Delegacia de Homicídios (DH), mas ambos foram liberados após prestarem depoimento.

O ataque

Segundo informações, os PMs se preparavam para deixar o serviço, durante um patrulhamento a pé na parte alta da comunidade, conhecida como Cruzeiro, pouco antes das 19h, quando foram surpreendidos por criminosos que vieram por trás de uma pedra e atiraram nos policiais com pistolas.

De acordo com a Coordenadoria de Polícia Pacificadora, o policiamento na região foi reforçado e a polícia tenta localizar os suspeitos.

Ocupada em 2010, a Favela do Andaraí foi a décima comunidade a receber o programa do Governo do Estado e a terceira na Zona Norte. Alex foi o 27º PM morto este ano.

Com informações de Diego Valdevino


Últimas de Rio De Janeiro