Centro cultural da UFRJ pode deixar centros de pesquisa sem espaço

A mudança pode deixar estruturas técnicas, além de laboratórios desalojados

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio - Há quase 70 anos como templo de produção e troca de conhecimento da maior universidade federal do país, a UFRJ, o Palácio Universitário, situado na Urca, tem futuro indefinido. Estabelecido em 2009, ainda na gestão do reitor Aloísio Teixeira, o Plano Diretor da Universidade destina o espaço do palácio para a criação de um Centro Cultural. Porém, a mudança pode deixar estruturas técnicas, além de laboratórios desalojados.

Ainda de acordo com o plano, a transferência de cursos para a Cidade Universitária (Fundão) estava condicionada à decisão das unidades. Das quatro unidades do palácio, duas serão mantidas no campus Praia Vermelha (PV): Comunicação e Economia. As outras duas escolheram ir para a Ilha do Governador (Educação e Administração), mas ainda não têm estrutura definitiva, nem prazo para sair da PV. Assim, instalou-se a polêmica: a criação de um centro de cultura sem que os cursos tivessem para onde ir. “O projeto tirava a gente dali e não colocava em lugar nenhum”, critica Marialva Barbosa, professora da pós-graduação da Escola de Comunicação (ECO).

Fachada do palácio será recuperada na obra já iniciada este mêsDivulgação

“Não fomos avisados sobre esse projeto. Eu e o Frederico, diretor do Instituto de Economia, fomos surpreendidos. Porém, estamos confiantes que, com a nova reitoria, haja uma mudança de perspectiva”, disse o diretor da ECO, Amaury Fernandes.

“A UFRJ já tem o maior centro cultural do Rio, que é o Canecão. Não teria sentido criar outro, basta recuperar o Canecão”, questionou Marialva. A casa, uma das mais tradicionais da MPB, foi desativada em 2010 e até agora não voltou a funcionar.

Porém, de acordo com a nova reitoria, o plano diretor agora está suspenso, ou seja, não há definição sobre a permanência das unidades, nem a construção do Centro Cultural. Entretanto, o IPHAN (Instituto do Patrimônio História e Artístico Nacional) explica através de nota que as obras iniciadas no início do mês não correspondem às do projeto do Fórum de Ciência e Cultura.

Laboratórios darão lugar a jardimDivulgação

Apesar de não ser contrária à saída da sua unidade do campus, a diretora da Faculdade de Educação, Ana Maria Monteiro, não concorda com a justificativa da criação do centro cultural. “Não acho que as aulas que danificaram o prédio. O que danificou foi a falta de manutenção”, avalia. Ela afirma que não houve transparência na possível saída dos cursos de Comunicação e Economia do prédio.


Destino de prédio da CPM é incerto

A Central de Produção Multimídia (CPM), prédio que concentra equipamentos e os laboratórios da Escola de Comunicação (ECO), e que foi fruto de uma espera de 10 anos, é outro prédio que não tem destino certo. De acordo com o Termo de Ajustamento de Conduta assinado em 2010 entre a universidade, o Iphan e o Ministério Público Federal, o perímetro que deve ser reservado em torno do palácio é invadido por cerca de um metro e meio do prédio.

No projeto do Centro Cultural, a central daria lugar a jardins, a fim de dar visão para o palácio. Entretanto, para os professores da unidade, a obra é um absurdo. “Levou anos para conseguir financiamento para a CPM, e agora vai jogar aquilo tudo no chão?”, declarou Marialva Barbosa, professora da pós-graduação da ECO. Atualmente, está sendo erguida ao lado do local a CPM2, apelidada de ‘CPM de Lata’ por ser feita em módulos, que abrigará mais laboratórios.

Dentro do palácio também funcionam iniciativas que dependem do espaço físico, como o Gesel (Grupo de Estudos do Setor Elétrico) e a empresa Junior Ayra, além de diversos grupos de pesquisa dos quatro cursos que funcionam no local.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia