Por nicolas.satriano

Rio - "Tá certo ou não tá?" Quase dez anos após o George Savalla Gomes ter deixado para sempre os picadeiros do Rio, o bordão do Palhaço Carequinha continua a fazer a alegria dos cariocas. No dia em que o comediante completaria 100 anos, a Praça Tiradentes foi tomada pelo riso de dezenas de crianças e adultos que relembraram o saudoso palhaço em um evento gratuito que reuniu antigos colegas de palco do aniversariante e outros artistas circenses da cidade.

Sob uma tenda azul armada para a festa, o produtor Limachem Cherem, conhecido como Palhaço Limachem, apresentou o evento e relembrou a importância do palhaço em sua vida. "Quando eu era criança vivia na roça, e a única pessoa que tinha televisão era minha professora. A gente andava quase 3 km para assistir o Circo do Carequinha. Eu ficava maravilhado", lembrou. Ele também contou sobre os 23 anos em que produziu o show do palhaço. "Tive o privilégio de começar a trabalhar com ele nos anos 1980 e acompanhá-lo até o fim."

Um século de Carequinha%3A homenagem reuniu palhaços cariocasSeverino Silva / Agência O Dia

A filha de Cherem, Islanny Cherem, 18, herdou do pai a profissão e o amor e carinho por carequinha. Conhecida como Palhaça Carequita ela lembra de como começou a trabalhar com o artista. "Eu perturbava muito no palco e ele me convidou para trabalhar. Ele me ensinou tudo."

A herdeira do palhaço mas querido do Brasil chamou atenção para a carência de circos de rua no Rio e contou o último pedido do pai. "Ele pediu que não deixássemos o circo acabar.", lembrou Islanny Cherem.

Você pode gostar