Pezão sobre o Uber: 'Quem transporta passageiros é taxista'

Governador disse que caso 'é um problema da prefeitura', mas afirmou que motoristas do aplicativo 'estão ilegais'

Por O Dia

Rio - O governador Luiz Fernando Pezão disse, nesta quarta-feira, que os motoristas do polêmico aplicativo Uber, que oferece serviço de transporte de passageiros, "estão ilegais". "Isso é um problema da Prefeitura. Quem legisla sobre isso é a Câmara dos Vereadores. Mas eles estão ilegais porque quem transporta passageiros é taxista. Existem normas e leis que devem ser obedecidas. O que a Prefeitura decidir, nós vamos apoiar", afirmou o governador, em visita à 1ª Companhia Integrada de Polícia de Proximidade (CIPP) do 6º BPM (Tijuca), no Grajaú, Zona Norte do Rio, na manhã desta quarta-feira.

LEIA MAIS

Detro apreende veículos da Uber

‘Guerra’ entre Uber e taxistas vai parar na delegacia

Serviços de táxi e do aplicativo Uber têm custos bem diferentes

Pelo menos dois carros a serviço da Uber foram apreendidos no Aeroporto Santos Dumont, no Centro do Rio, na noite desta terça-feira, durante uma operação do Departamento de Transportes Rodoviários do Estado do Rio (Detro). Há informações de que outros veículos particulares que faziam transporte de passageiros foram recolhidos na ação.

Na sexta-feira, durante o protesto de taxistas contra os serviços da Uber, o secretário estadual de Transportes, Carlos Osorio, havia prometido que o Detro iria intensificar as ações de combate ao transporte irregular. “O transporte de passageiros só pode funcionar se for licenciado, que é o que manda a lei. Os taxistas têm direitos adquiridos que não podem ser rasgados”, disse Osório, no dia do protesto.

Centenas de taxistas protestaram, na última sexta-feira%2C contra o aplicativo Uber e táxis piratas que trafegam pelas grandes metrópolesFoto%3A Onofre Veras / Parceiro / Agência O Dia

A Uber informou que não concorda com as apreensões, justificando que o serviço prestado pelos motoristas que utilizam o aplicativo não é de táxi. A empresa alega ainda que os motoristas parceiros do aplicativo precisam ter seus direitos constitucionais de trabalhar preservados.

Os veículos foram levados a um depósito público e multados em R$ 2.711,90, mais os custos com reboque e diária do depósito.

Últimas de Rio De Janeiro