Por paulo.gomes

Rio - A Polícia Civil está em busca de imagens de câmeras instaladas no ônibus da linha 484, da Viação City Rio, que fazia o percurso Copacabana-Olaria, e de imóveis ao longo do trajeto feito pelo veículo. A intenção é identificar cerca de dez assaltantes que, na tarde de domingo, usaram o coletivo LRE-8585 para fazer um arrastão em pontos de embarque entre a Zona Sul e a Candelária.

Vítimas de arrastão e parentes de suspeitos foram parar na 5ªDP (Mem de Sá)Daniel Castelo Branco / Agência O Dia

Na noite da última sexta-feira, bandidos utilizaram tática semelhante para fazer, num táxi sequestrado, vítimas entre o Centro do Rio até a Favela Vila do João, no Complexo da Maré. “Policiais do 5ºBPM (Praça da Harmonia) conduziram à 5ªDP (Mem de Sá) seis homens, mas os suspeitos foram liberados por não terem sido reconhecidos pelas vítimas”, diz nota oficial da Polícia Civil.

Segundo testemunhas, os ladrões, que aparentemente não estavam armados, mas alterados, parecendo alcoolizados ou drogados, sem camisas, obrigavam o motorista a parar, desciam do ônibus, roubavam e voltavam para a condução. O ato ocorreu duas vezes em Copacabana, uma no Aterro, na altura do Catete, e na Candelária. Alertados por uma usuária assaltada, PMs interceptaram o veículo às 18h30 na Avenida Presidente Vargas.

Uma médica foi agredida com um soco e teve a bolsa levada pelo bando na Candelária. “Não tenho condições de falar. Estou muito abalada”, limitou-se a dizer a médica na delegacia.

Treinamento, câmeras e até GPS em ônibus

A City Rio ressaltou em nota que motoristas são treinados a não tomar atitudes que ponham em risco os passageiros em caso de incidentes. Os consórcios Internorte, Intersul, Santa Cruz e Transcarioca garantiram que todos os 9 mil ônibus do Rio possuem câmeras e GPS.

O Sindicato dos Taxistas, por sua vez, vai pedir à PM que ministre curso para os 55 mil motoristas de táxi da cidade sobre como se comportar em caso de sequestro-relâmpago.

Você pode gostar