Rondinha carioca treina para substituir americana no coração dos fãs de MMA

Aos 15 anos, ela idolatra Ronda Rousey. Nesta terça-feira, a campeã doou o cinturão de ouro na Rocinha

Por O Dia

Rio - O país que revelou ao mundo o lutador Anderson Silva, se curvou no último fim de semana à americana Ronda Rousey, o grande nome do MMA na atualidade e que se tornou celebridade instantânea ao vencer a brasileira Bethe Correia, sábado, na Barra da Tijuca.

Na terça-feira, mais holofotes: Ronda subiu a Rocinha, visitou o Instituto Reação - ONG presidida pelo judoca Flávio Canto - e doou o cinturão de ouro do UFC para a instituição. As crianças vibraram. O Rio de Janeiro, no entanto, já lapida uma joia para fazer frente à estrela americana daqui a alguns anos. Joia literalmente. Na verdade, Maria Carolina Joia, de apenas 15 anos. Na academia Energizer, na Tijuca, ela é conhecida como Rondinha. A semelhança impressiona. Inclusive ao professor, Phillip Lima, cheio de cuidados com a jovem.

Rondinha nos passos da lutadora americana%3A “Ela abriu o caminhos para as meninas praticarem MMA”Alexandre Brum / Agência O Dia

"Ela ainda é uma menina, tem que estudar, mas está sendo preparada para as primeiras competições. Ainda vai passar por muita coisa nessa vida: namorados, trabalho, faculdade. Mas é incrível a semelhança. E ela adora a Ronda, o MMA, é dedicada e talentosa. Ainda vão ouvir falar muito dela", aposta o treinador Phillip.

Se depender da Rondinha, ou Maria Carolina, vão mesmo. Há dois anos na academia, ela conta que decidiu entrar para o mundo do MMA para emagrecer e modelar o corpo. Mas acabou tomando gosto e hoje não quer saber de outra coisa. "Já fiz muay thay, jiu jitsu, wrestling e boxe. Meu interesse é lutar. Meus pais não apoiam muito, meus amigos acham estranho, mas o MMA é o que eu quero", conta Rondinha, aluna do ensino médio do Aplicação da UFRJ.

O apelido recebido pela semelhança com a estrela americana, claro, agrada. Muito. Maria Carolina é fã declaradíssima da lutadora.“Ela abriu caminho para as meninas praticarem o MMA. Sempre se falava que luta era coisa de homem ou de mulher masculinizada. Isso já era. Ela e muitas outras lutadores são ícones da moda" disse a Rondinha.


Duelo de musas

A academia em que Rondinha treina não tem apenas ela como atração entre as meninas. Júlia Boscher, de 19 anos, também é fã da lutadora americana e espera fazer bonito como a musa do MMA. Sejas nos ringues ou nas passarelas.

Campeã mundial de jiu-jitsu este ano, em Abu Dhabi, no Emirados Árabes, a bela morena tijucana - que namoraum campeão de jiu jitsu - já está pensando em trocar os tatames pelo octógono. Tudo graças ao sucesso da Ronda.

“Me espelho na Ronda. Quero viver de luta e pretendo entrar no MMA. Ver uma mulher no topo, como ela, é inspirador", diz Júlia. Prestes a começar a faculdade de Educação Física, a mudança para o MMA também tem a ver com o bolso. E com o preconceito.Que está sendo vencido justamente por causa do sucesso de Ronda Rousey.

“Os prêmios para mulheres no jiu jitsu são muito inferiores aos dos homens. No MMA é melhor. E se eu quero viver disso, tenho que pensar nesta parte também", analisa Júlia Boscher.

Últimas de Rio De Janeiro