Arma apreendida do arsenal de Fu da Mineira pode derrubar avião

Disparo quase atingiu veículo da Marinha, revela coronel

Por felipe.martins , felipe.martins

Rio -  O arsenal apreendido com a quadrilha de Fu da Mineira surpreendeu policiais do Bope (Batalhão de Operações Policiais Especiais). O fuzil Ponto 50 apreendido é capaz de derrubar um helicóptero ou até um avião. “No mercado negro este tipo de arma custa mais de 150 mil. É uma arma de explodir blindados e lanchas, exceto tanques. No Rio, deve ter entre 12 a 15 armas como esta”, explicou o especialista em armamentos, Ronaldo Leão Correa. “A ponto 50 é uma arma potente e usada por atiradores de elite”.

Para o ex-comandante geral da Polícia Militar, Mário Sérgio Duarte, a grande estrutura do grupo criminoso é o que mais assusta. “Há apenas um enfraquecimento temporal do bando com essas prisões. Esse tipo de fuzil foi apreendido pela primeira vez no Rio em 2010. Em dez dias de operação no Alemão e Vila Cruzeiro, encontramos dois destes”, lembrou Duarte.

Arma (diante da munição) foi apreendida na operação do Bope que prendeu Claudinho e Fu da MineiraReprodução Facebook

"É uma arma que exige um mínimo de treinamento. Não é qualquer um que vai saber alimentar a arma (colocar munição) e fazer os disparos. É um espanto que esteja na mãos dos criminosos. A última vez que a Marinha subiu um morro, tomou um tiro na porta de trás do tanque que quase perfurou o veículo", disse um coronel do Exército que pediu para não ser identificado.

Prisões 72 horas depois da morte de Playboy

Seis das principais lideranças do Comando Vermelho, responsáveis por ditar o medo no Complexo do Chapadão e irradiá-lo por bairros próximos, foram capturados enquanto dormiam numa casa modesta, sem móveis, com um colchão velho, uma torradeira e um microondas, na manhã de terça-feira, fora da favela numa rua da Pavuna. Entre os traficantes presos, estão criminosos conhecidos como Fu e Claudinho da Mineira.

As prisões foram feitas pelo Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope) e ocorreram menos de 72 horas depois da morte do temido traficante Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, de 33 anos, no Conjunto de Favelas da Pedreira, em Costa Barros. A polícia comemorou a prisão realizada sem troca de tiros. Na operação, foram apreendidas armas pesadas de uso privativo das forças armadas.

Fu da Mineira e outros traficantes foram presos nesta terça-feira%2C durante operação do Bope no Morro do Chapadão%2C e levados para a 39ªDP (Pavuna)Divulgação

O esconderijo passava desapercebido até mesmo por vizinhos. Segundo policiais, os bandidos — que não ‘fincavam residência’ em uma única localidade — costumavam dormir por lá entre segunda e quarta-feira, a fim de despistar as investigações.

Segundo a Polícia, foi na noite da última segunda que, temendo qualquer investida policial, eles se encontraram naquele que consideravam seu ‘porto seguro’. De acordo com o coronel Antônio Goulart, coordenador de Inteligência da PM, por terem sido surpreendidos enquanto dormiam, os criminosos não apresentaram resistência.

Com eles, foi encontrado além do fuzil Ponto 50, quatro outros fuzis, pistolas e farta quantidade de munições variadas. “A ação teve como objetivo desarticular qualquer iniciativa do CV em direção ao território antes comandado por Playboy”, confirmou o policial.

Entre os presos estão também Róbson Aguiar Oliveira, o Binho do Engenho, César Augusto Alta de Araújo, o PQD, Eduardo Luís Paixão, o Duda 2D, e Rafael Silva Gomes, o Guerreiro do Chapadão. Os criminosos exerciam influência nos Complexos do São Carlos, Alemão e Lins, além dos Morros da Coroa e da Mineira. “Concluímos a ação sem a necessidade de um único disparo. Levamos de volta à cadeia traficante cujas penas somadas superam 120 anos de detenção”, lembrou o secretário de Segurança Pública José Mariano Beltrame.

Para o comandante do Estado-Maior da PM, coronel Lima Freire, as recentes baixas são um duro golpe nos roubos de cargas e veículos que se repetem na região. “Acredito que a comunidade terá dias mais tranquilos agora”, aposta o coronel.

Morte agravou tensão nas favelas da Pedreira

Três dias após a morte de Playboy, o clima ainda é de tensão em Costa Barros e em bairros próximos. Na favela da Pedreira, os muros seguem pichados e os comerciantes relatam cenas de medo. A polícia não teme retaliações. “Vai surgir uma nova liderança aqui e teremos que entender a característica do traficante que vai assumir o posto de Playboy e Fu. Ele terá que reorganizar o bando”, acredita o comandante do 41º BPM (Irajá), tenente-coronel Antônio Marcos Netto.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia