A fila andou: novos líderes do tráfico estão na mira da polícia

Pezão, Peixe, Orelha, Piloto e Arafat têm recompensas de até R$ 20 mil. Tráfico agora disputa quem será o ‘sucessor’ de Playboy

Por O Dia

Rio - Luciano Martiniano da Silva, o Pezão; Marcelo Fernando Pinheiro Veiga, o Marcelo Piloto; Rafael Alves, o Peixe; Edson Silva de Sousa, o Orelha, e Carlos José da Silva Fernandes, o Arafat, são alguns dos nomes conhecidos da polícia e do tráfico de drogas do Rio que ainda continuam à solta. São criminosos perigosos e com recompensa de até R$ 20 mil que constam como procurados ou foragidos do sistema penitenciário.

Os líderes do tráfico procurados pela políciaArte O Dia

Após a morte de Celso Pinheiro Pimenta, o Playboy, no último sábado, após um confronto com policiais no Morro da Pedreira, em Costa Barros, Arafat é o mais cotado para assumir o controle do tráfico na região. Com maiores recompensas no Disque-Denúncia (2253-1177), Peixe, chefe do tráfico da Vila Aliança, em Bangu, e Orelha, chefe em Nova Brasília e Fazendinha, no Alemão, que são de facções criminosas rivais, valem R$ 20 mil.

Chefe em Mandela e Manguinhos, Marcelo Piloto, que fugiu do sistema penitenciário em 2007, é um dos bandidos mais temidos do Rio, assim como o comparsa Pezão, antigo chefe de drogas do Complexo do Alemão, preso em 2005 e solto pela justiça três anos depois. A recompensa para quem denuncie Pezão é de R$ 5 mil.

Ele assumiu o controle da favela após receber ordens diretas de Márcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, e Fernandinho Beira-Mar para matar o antigo chefe, Antônio de Souza Ferreira o (Tota), em 2008. “São perigosos e alguns comandam o tráfico mesmo estando em outro estado”, disse o especialista em segurança, coronel Paulo Amêndola.

Últimas de Rio De Janeiro