PSDB parte para o ataque contra o governo da presidenta Dilma Rousseff

Aécio Neves estimulou a participação de todos os presidentes regionais do partido nas manifestações de domingo

Por O Dia

Rio - O PSDB partiu de vez para o ataque. Nesta terça-feira, em reunião com presidentes regionais do partido, Aécio Neves disse que o governo Dilma acabou, e estimulou a participação de todos nas manifestações de domingo.

Em seguida, os deputados federais tucanos decidiram acender o pavio da pauta-bomba armada por Eduardo Cunha, presidente da Câmara, para explodir o caixa federal. Eles vão votar a favor da inclusão de auditores fiscais e do trabalho na PEC 443, que eleva os salários de várias categorias.

Atazanar

O objetivo do PSDB é fazer com que beneficiados pela emenda — entre eles, delegados da Polícia Federal — infernizem a base do governo. Na reunião, os tucanos sequer definiram se votarão a favor da PEC 443 no segundo turno: o importante, agora, é usá-la como instrumento de pressão contra Dilma.

Amigos poupados

Para não gerar problemas para governadores e prefeitos aliados, Cunha decidiu votar uma vacina: a PEC 172, que impede a criação de despesas para estados e municípios sem que a União repasse os recursos necessários para bancá-las. Assim, a PEC 443 valerá apenas para o governo federal, e o pessoal dos estados ficará sem aumentos.

Irritação

Presidente do PMDB-RJ, Jorge Picciani está irritadíssimo com as críticas que, na TV, Indio da Costa, presidente do PSD-RJ, fez à segurança pública e à administração Paes. O PSD tem três secretarias no governo e uma na prefeitura.

Neutralidade

Por falar nisso: Picciani diz que ele e Pezão não vão apoiar candidatos à Prefeitura de Caxias. A decisão é para evitar problemas com os aliados Alexandre Cardoso (PSD) e Washington Reis (PMDB).

Últimas de Rio De Janeiro