SuperVia e familiares de atropelado por trem entram em acordo por indenização

Valor é mantido em sigilo e concessionária tem até dez dias úteis para efetuar o pagamento

Por O Dia

Rio - Os familiares do vendedor ambulante Adílio Cabral dos Santos, que morreu atropelado por um trem próximo à Estação Madureira, há duas semanas, serão indenizados em até dez dias pelo acidente. A garantia foi dada aos parentes após um acordo firmado entre a Defensoria Pública do Estado e a SuperVia. O caso ganhou destaque após vídeo feito por passageiro flagrar agente da concessionária autorizando uma composição a passar sobre o corpo da vítima.

Participaram da reunião a mãe e irmão do ambulante, representantes da Defensoria Pública, da SuperVia e A 29ª DP (Madureira) ainda investiga se o vendedor estava vivo quando o trem passou por cima dele. “O Estado se coloca, em conjunto com a Defensoria, na defesa da reparação das famílias em casos como esse. Houve uma perda, um dano à família. Uma pessoa faleceu, e o mínimo que se pode fazer em situações como essa é dar uma rápida reparação à família”, disse o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osorio.

VEJA MAIS

'Isso não se faz nem com animal', diz mãe de ambulante atropelado por trem

SuperVia diz que trem tinha 'altura suficiente' para passar sobre corpo

Irmão de homem atropelado por trem diz que SuperVia foi negligente

Segundo a defensora pública titular do Núcleo de Madureira, Andréa Mazza, o valor do acordo não pode ser divulgado porque o documento possui cláusula de sigilo. A mãe e os irmãos da vítima também participaram da reunião, na sede da Defensoria.

“A mãe da vítima procurou a Defensoria Pública em Madureira, e a defensora avaliou a possibilidade de acordo com a SuperVia, como já aconteceu em outras ocasiões este ano. A solução extrajudicial tem como ponto principal indenizar os familiares o mais rápido possível”, afirmou o defensor-público-geral, André Castro.

Após a divulgação do vídeo, a SuperVia admitiu ter autorizado a passagem do trem por cima da vítima, alegando que a composição tinha altura suficiente para não tocar no corpo. No último domingo, O DIA mostrou que a Defensoria Pública do Rio tem adotado nova postura para agilizar os acordos de indenizações em casos de acidentes nos meios de transporte do Rio.

Últimas de Rio De Janeiro