Jornalista detida no Equador chega ao Rio e diz que foi agredida por policiais

Manuela Picq teve seu visto cancelado após participação em protesto

Por O Dia

Rio - A jornalista brasileira Manuela Picq chegou ao Brasil na manhã deste sábado. Ela tinha sido detida durante uma manifestação em Quito, no Equador, e teve o visto cancelado. Na chegada, a jornalista contou estar aliviada e revelou ter sido agredida por policiais durante o protesto.

Picq, que também possui nacionalidade francesa, estava ao lado de seu marido, Carlos Pérez Guartambel, presidente de uma associação pró-indígena, quando, segundo relatos, a polícia antimotim avançou contra manifestantes que se mantinha em frente ao cerco à sede do Executivo.

Manuela Picq teve seu visto cancelado após participação em protestoReprodução

Na ocasião, uma mensagem foi publicada pela jornalista em seu Facebook sobre o ocorrido. "O Ministério das Relações Exteriores cancelou meu visto hoje, me informaram agora", diz o texto. "Aguardando um julgamento de mentira para ser deportada. Saúde está ok. Últimas 24 horas malucas. Melhores que um filme do Bruce Willis", publicou, logo em seguida, em inglês, em seu perfil na rede social.

De acordo com o jornal "El Comercio", Picq se encontrava com outros jornalistas e fotógrafos, além do marido, quando houve a ação policial. Ela teria sido levada ao hospital Eugenio Espejo. Ainda segundo jornais equatorianos, durante sua permanência no local, policiais de choque e outros agentes entraram no prédio sem darem maiores informações.



Últimas de Rio De Janeiro