Estado vai garantir exame a mulheres com histórico de câncer de mama na família

Lei 'Angelina Jolie' foi publicada nesta quarta-feira; exames para identificar mutação serão feitos pelo SUS

Por O Dia

Rio - O governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, sancionou a Lei Angelina Jolie, autorizando o estado a realizar exames gratuitos que dectetam sequenciamento genético em mulheres com histórico de câncer de mama ou de ovário na família. O texto foi publicado nesta quarta-feira no Diário Oficial e prevê a realização de exames por meio de convênio com o Sistema Único de Saúde (SUS). 

Angelina Jolie revela que retirou os ovários para prevenir câncer

De acordo com a lei, o exame deve ser requisitado por um oncologista, geneticista ou mastologista. Além disso, a paciente deverá ter até 40 anos e ficará obrigada a apresentar um laudo com histórico familiar de câncer de mama, diagnosticado antes dos 50 anos em dois parentes de primeiro grau ou três parentes até segundo grau.

Lei garante realização dos exames que identificam mutação a mulheres com histórico de câncer de mama ou de ovário na famíliaReprodução

A lei diz ainda que o estado poderá ter uma '"cooperação técnica" com o município na realização dos exames, que identificam se a paciente tem mutação nos genes BRCA1 e BRCA2, que evitam o câncer de mama. Quando essa mutação ocorre, há maior probabilidade de a doença aparecer. 

O nome da lei — de autoria da deputada estadual Márcia Jeovani (PR) — foi inspirado no caso da atriz norte-americana Angelina Jolie, que realizou o exame. Ao identificar a mutação, ela decidiu retirar os ovários com "medo de câncer". Ela perdeu a mãe, avó e tia pela doença. 

"Há dois anos escrevi sobre minha escolha de submeter-me a uma dupla mastectomia preventiva. Um simples teste de sangue revelou que tinha uma mutação genética (...) com um risco estimado de 87% de sofrer câncer de mama e 50% de câncer de ovários. Perdi a minha mãe, minha avó e minha tia para o câncer", declarou Jolie, na ocasião. 

Angelina Jolie decidiu retirar o ovário este ano, após realização de examesReprodução

O médico da atriz havia relatado que o nível de mutação de uma proteína chamada CA-125 no sangue de Angelina, monitorada para detectar o risco de câncer de ovário, era normal. Porém, "havia uma série de marcadores inflamatórios que eram altos" e que poderiam apontar um câncer incipiente. "O câncer de ovário da minha mãe foi diagnosticado quando ela tinha 49 anos. Eu tenho 39", completou a atriz. 

Últimas de Rio De Janeiro