Polícia apura irregularidades em operações financeiras de ONG

Ação cumpre mandados de busca e apreensão para buscar provas contra pessoas ligadas à Obra Social João Batista

Por O Dia

Policiais civis cumprem nesta quarta-feira 26 mandados de busca e apreensão em imóveis nas Zonas Sul e Oeste e no CentroDivulgação

Rio - Agentes da Coordenadoria de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (CCC-LD) realizam na manhã desta quarta-feira uma operação para cumprir 26 mandados de busca e apreensão em imóveis nas Zonas Sul e Oeste e no Centro. A ação, que conta com o apoio de delegacias da capital, especializadas e da Corregedoria da Polícia Militar, visa encontrar provas sobre operações financeiras da feitas por 11 pessoas da "Obra Social João Batista", antigaCasa Espírita Tesloo.

Os policiais apuram os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro. As investigações tiveram início após um relatório de inteligência do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF). O inquérito foi instaurado a partir de informações sobre análise dos contratos da ONG e operações suspeitas identificadas pelo Tribunal de Contas do Município (TCM).

A investigação, segundo a coordenadoria, busca apurar vários saques e transferências bancárias que o Banco Central consideram suspeitas. A polícia também analisa se os responsáveis pelas operações estão relacionados as irregularidades encontradas.

De acordo com a Polícia Civil, a Justiça concedeu a quebra do sigilo bancário dos envolvidos. Agora as investigações buscam identificar as pessoas que estejam se beneficiando dos ajustes fraudulentos da obra social.

Últimas de Rio De Janeiro