Drama sem fim na família de Ryan, desaparecido há 20 dias

Mãe critica a polícia por não ter pedido quebra de sigilo do celular nem imagens de câmeras

Por O Dia

Rio - Vinte dias de angústia, falta de informação, boatos, notícias desencontradas e nenhuma resposta. Assim está a vida de Rafaela de Paula, mãe do jovem Ryan Lucas de Paula Pinheiro, de apenas 13 anos, morador do Méier, na Zona Norte do Rio, e desaparecido desde o dia 7 deste mês. A única informação que a família tem, até o momento, é a de que Ryan teria marcado um encontro, após a escola, com uma adolescente, moradora do Complexo do Alemão. Mas o encontro não se realizou. E Ryan desapareceu.

Ryan desapareceu há 20 diasReprodução

Rafaela conta que já fez de tudo, já pediu à polícia e à Justiça, mas, até agora, nenhuma informação lhe foi passada. “Poxa, eu estou desesperada. Já pedi na delegacia para quebrarem o sigilo telefônico do celular do meu filho para rastrearem ligações e sua localização. Nada. Pedi para que analisassem as imagens das câmeras de segurança próximas à escola onde ele estuda. Nada. Soubemos que um motoboy, já identificado, foi a última pessoa a vê-lo no dia 7. Ele foi ouvido? Não. É uma agonia sem fim”, disse Rafaela.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Descoberta de Paradeiros, onde Rafaela já prestou depoimento. Procurada pelo DIA, a Polícia Civil não respondeu se pediu a quebra de sigilo telefônico ou análise de câmeras de segurança. Tampouco se já havia tomado o depoimento do motoboy. Por email, informou que as investigações estão em andamento. “Parentes da vítima prestaram depoimento e agentes estão em diligências em busca informações que possam ajudar a descobrir o paradeiro do jovem”, acrescentou a nota da Polícia Civil.

Enquanto isso, Rafaela e o marido Fabiano Pinheiro têm convivido com todo tipo de boato, desde o que diz que Ryan havia sido aliciado pelo tráfico ao que diz que havia sido castigado por traficantes pelo fato de a menina com quem se encontraria ser, supostamente, filha de um dos bandidos da comunidade.

“É uma agonia que não passa. A tal menina não foi ouvida, ninguém foi ouvido, não temos provas de nada. Na delegacia falaram que a prioridade era o caso (de desaparecimento) no BRT, mas o do Ryan foi antes. Ou seja, é um descaso. Só quem tem nos ajudado são parentes e amigos”, desabafou a mãe do menino.

A família de Ryan Lucas disponibilizou o telefone (21) 96754-0910 para que as pessoas entrem em contato, caso tenham notícia do paradeiro do jovem.

Últimas de Rio De Janeiro