Do lazer ao medo: Aterro do Flamengo agoniza com insegurança

Associações de moradores indicam os pontos mais críticos da região no ano em que o Rio comemora 50 anos do Parque

Por paloma.savedra

Rio - No ano em que o Rio comemora 50 anos do Parque do Flamengo, o espaço dedicado a esporte, arte e lazer do carioca, nascido da iniciativa da arquiteta e paisagista Lota de Macedo Soares em 1965, agoniza com casos de violência, degradação e moradores de rua. O DIA analisou registros de ocorrência de Botafogo, Flamengo, Catete e Glória. Roubos a transeunte subiram 20% nos últimos seis meses. No período, na cidade do Rio, o mesmo crime recuou 5%. E os roubos de celulares tiveram alta ainda maior: 72%.

Clique no infográfico e confira o mapa da violência na região, de acordo com moradoresArte O Dia

Nesta sexta-feira, um depois de o executivo Alfredo Hirsch, de 46 anos, ter a bicicleta roubada a pedradas, a PM prendeu um homem com faca, e a prefeitura fez mutirão de limpeza e acolhimento. O DIA mapeou os pontos mais perigosos do Aterro do Flamengo, segundo dados do 2º BPM (Botafogo), passados a associações de moradores.

Mutirão acolhe moradores de rua nos jardins do MAM. Passarela em frente é um ponto críticoSeverino Silva / Agência O Dia

As praias de Botafogo e Flamengo, a Praça Paris, na Glória, o viaduto em frente ao Museu de Arte Moderna e as proximidades dos clubes náuticos, no Calabouço, são apontados como de risco. Também há registros de violência nas proximidades do Hotel Glória, do restaurante Porcão e da Praça Nicarágua.

Iniciativas de revitalização, como a planejada pelo Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), da prefeitura, em 2014, para criar parceria público privada (PPP) que melhoraria a manutenção e gestão do Aterro, não saíram do papel.

Agentes da prefeitura põem abaixo uma ‘casinha’ no canteiro da obra da Olimpíada na Marina da GlóriaSeverino Silva / Agência O Dia

“Não precisa inventar a roda para cuidar do Parque do Flamengo. A prefeitura tem a Fundação Parques e Jardins. Os postos de gasolina, restaurantes, eventos que são organizados lá, com divulgação de marcas, poderiam pagar a um fundo gerido pela prefeitura. O parque gera muito dinheiro, mas o dinheiro não fica no parque”, criticou a advogada e professora do Mestrado de Especialização em Preservação do Iphan, Sonia Rabello.

Além dos dados oficiais, o site ‘Onde fui roubado?’, que recebe denúncias de internautas assaltados em várias cidades do Brasil, registrou 23 casos no Aterro no último mês. Entre os bairros com mais registros, Botafogo e Catete. “Todo mês, nos registros do batalhão, a área mais assaltada é a do Aterro. Acho que falta polícia. Além disso, temos a população de rua”, questionou a presidenta da Associação de Botafogo, Regina Chiaradia. “Eu não caminho mais no Aterro. É muito perigoso”, concordou Neiva Alencar, presidente da associação do Catete.

O comandante do 2º BPM, Márcio Rocha, disse que planeja novo patrulhamento para o Aterro, depois do roubo da bicicleta que deixou Hirsch com a clavícula e quatro costelas quebradas.

Moradores de rua fazem do jardim um dormitório. Praça Paris%2C ali perto%2C também padece com o problemaSeverino Silva / Agência O Dia

“Concluímos que, a partir da semana que vem, já poderemos dar maior visibilidade à polícia, para garantir a segurança para a atividade que os desportistas desenvolvem aqui durante as manhãs”, prometeu o oficial.

A Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social informou, em nota, que atua diariamente no Aterro, acolhendo a população de rua.

Central Park tropical

O projeto da PPP para o Parque do Flamengo foi divulgado ano passado. O objetivo era justamente comemorar o cinquentenário do Aterro. “O Central Park, em Nova York, tinha problemas até piores, como assassinatos e estupros.

Hoje, 75% da receita para manutenção do Central Park vem da fundação responsável por administrar o parque”, explicou, na ocasião, o presidente do IRPH, Washington Fajardo.

A assessoria do IRPH reconheceu que os planos do Central Park carioca foram ventilados, mas que não há definição, ainda.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia