Moradores e comerciantes que vivem perto do Engenhão reclamam das obras

A menos de um ano das Olimpíadas, a população da região se divide entre o desânimo e as expectativas

Por adriano.araujo , adriano.araujo

Rio - Depois de mais de dois anos em obras, o Estádio Olímpico Nilton Santos (Engenhão), na Zona Norte, foi reaberto no início do ano, mas comerciantes e moradores da região ainda sofrem com o prejuízo dos portões fechados. A menos de um ano das Olimpíadas, a população se divide entre o desânimo e as expectativas quanto ao impacto do megaevento nas redondezas do estádio.

Para José Armando de Medeiros, de 52 anos, dono de uma padaria na Rua José dos Reis, onde se localiza a entrada para a Ala Oeste do Engenhão, o comércio já foi bom, quando os antigos jogos atraíam muita gente e lotavam as ruas. “A reabertura não adiantou muito porque os jogos vêm acontecendo às terças-feiras, às 22h. Ninguém aparece, a menos que tenha algum time grande jogando. Mesmo assim, a entrada das torcidas é feita pela Ala Leste, e a gente fica sobrando. Estou pensando seriamente em fechar o negócio porque não tenho como segurar até as Olimpíadas. Está muito difícil", comentou.

Engenhão%3A estádio foi construído para as provas do Pan em 2008%2C ficou fechado para reformas ano passado e abrigará a Olimpiada do RioDivulgação

Com fechamento do Engenhão, o lugar ficou abandonado. A recente reabertura, no entanto, foi mais positiva para Oriel Roque, 48, proprietário do restaurante La Moriquita.

"Tivemos momentos difíceis com o fechamento do estádio, mas a reabertura deu uma melhorada. As expectativas para as Olimpíadas são as melhores e comecei a reformar a casa para os Jogos”, disse o comerciante, que colocou vidros novos nas portas e ar-condicionado. “A ideia é deixar o lugar mais charmoso e com o serviço cada vez melhor", completou.

Comerciantes reclamam

Os comerciantes relatam que as obras foram prejudiciais a todos porque foram obrigados a estocar muita mercadoria. Georgelina Brás França, de 53 anos, dona de loja de roupas, foi uma das prejudicadas. "Eu vendia sacolé e empadão para quem vinha assistir aos jogos e tive que parar. Também não podia colocar minhas roupas no mostruário, porque ficavam cheias de poeira e ninguém queria. Não vendi nenhuma peça no Natal”, disse.

O marido de Georgelina ficou desempregado e a comerciante teve que sustentar a família sozinha com base no conserto de roupas, a única atividade que podia fazer com as portas fechadas. “Desde a reabertura, não vi muita mudança, porque os jogos são muito tarde e é perigoso ficar aqui sozinha. Não tem condução e ninguém se sente seguro para vir com a família”, comentou a comerciante, acrescentando que está confiante em uma melhora a partir do ano que vem, com os Jogos Olímpicos do Rio.

?Moradores pedem segurança

Engenhão será palco das provas de atletismo e dos jogos da primeira fase dos torneios de futebol durante os Jogos Olímpicos de 2016.

A dona de casa Fátima Santos, 55 anos,espera que a Olimpíada traga mais segurança para o bairro. "O comércio melhorou bastante e espero que cresça ainda mais com os Jogos. O único problema é a segurança, que só existe quando jogam os times grandes. Devia ser o tempo todo", disse a moradora.

Karina Bittencourt, 42 anos reclama das mudanças no trânsito nos arredores do estádio."Cada semana fecham uma rua diferente sem nos avisar”, conta.

Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia