Moradores lamentam a decadência de Piedade após fim da Gama Filho

Em janeiro de 2014, o movimento nas ruas caiu, o comércio fechou, os 12 mil alunos que davam vida à região sumiram

Por O Dia

Rio - Conta-se que, no século 19, havia uma estação de trem chamada Parada Gambá. Indignada com o nome uma senhorinha pediu ao diretor da Estrada de Ferro Central do Brasil: “Por piedade, doutor, troque o nome da estação”. O doutor aproveitou a fala e escolheu Piedade para batizar a parada, de onde nasceu o bairro incrustado entre o Méier e Madureira. Como há 200 anos, pedem piedade hoje aqueles que habitam o que parece ser um lugar fantasma no coração do Rio — desde o fechamento da Universidade Gama Filho, em janeiro de 2014, o movimento nas ruas caiu, o comércio fechou, os 12 mil alunos que davam vida à região sumiram.

Em janeiro de 2014%2C o movimento nas ruas caiu%2C o comércio fechou%2C os 12 mil alunos que davam vida à região sumiramEstefan Radovicz / Agência O Dia

“O bairro já morreu. Quero ver você encontrar outro lugar da cidade que não tenha sequer uma padaria”, lamenta Paulo Sérgio, de 54 anos, gerente de um restaurante a poucos metros da abandonada Gama Filho. Há seis anos trabalhando ali, ele lembra que, às sextas, o movimento era tão grande de alunos da faculdade que as mesas iam parar na rua. Depois do fechamento da universidade ele reclama também da falta de ação do poder público para tentar revitalizar a região.

“Tinha 12 funcionários, agora tenho cinco. Abro às 8h e fecho às 15h para não ser assaltado. E ninguém do poder público fala sobre uma região que está morta.”

O comerciante Paulo demitiu sete funcionários e fecha seu restaurante mais cedo por medo de assaltosEstefan Radovicz / Agência O Dia

O vira-lata Vigia é um dos poucos sinais de vida da Universidade Gama Filho. Foi batizado assim há quatro meses, quando foi encontrado por um dos seguranças que tentam defender o campus de 85 mil metros quadrados de invasores. O boato, conta o vigilante que acompanhava o cãozinho, é de que o terreno se transformará em condomínio. “Pelo menos o pessoal da Comlurb entra aqui periodicamente para não deixar as piscinas virarem foco de dengue”, comentou o segurança, que não quis se identificar.

“Estou aqui desde 1977. É uma pena”, desabafou, olhando para o outro lado da calçada, repleto de lojas fechadas. O som pelo deslocamento de ar da passagem dos carros em contato com as grades dão um clima ainda mais fantasmagórico ao entorno da antiga universidade.

Na Rua da Capela, Adalberto Leite, 76, tomava uma cerveja e espiava Piedade de cima com saudade. Morador da região desde 1954, o aposentado é do tempo em que o lugar contava com “dois cinemas, dois mercados grandes e um clima tranquilo.” Desde 2014, ele percebeu que o bairro, já distante dos seus tempos de apogeu, passou a ser um local de degradação ainda maior. “Daquela época, só restou o trem. A prefeitura fez obras em Quintino, por exemplo, mas acho que se esqueceu daqui. Há pedaços que não têm nem asfalto”, disse, resignado. “Frequentava os clubes em Piedade e na Água Santa, mas agora está tudo dominado pelo tráfico”, lamentou.

Carlos Fernandes, 59, recebera poucos clientes em seu pequeno mercado no último sábado. “Tive que demitir as pessoas e convivo com o medo diário de assaltos. Sem a Gama Filho, o bairro está sem nada”, resumiu.

ISP mostra aumento generalizado da violência

Piedade se tornou célebre na história dos crimes emblemáticos brasileiros quando o escritor Euclides da Cunha envolveu-se numa disputa passional e acabou morto numa casa que ficava no bairro, no começo do século 20. Agora o drama é diário: dados do Instituto de Segurança Pública (ISP) referendam as opiniões de que a violência aumentou em Piedade.

Segundo o órgão, houve crescimento de 61% no número de roubos a estabelecimentos comerciais da região no comparativo entre janeiro e julho de 2013, quando a faculdade estava aberta, e o mesmo período deste ano. Também aumentaram os assaltos a pedestres (34%) e roubos de celulares (30%). Mesmo sem o alto fluxo de carros dos tempos da Gama Filho — cuja ausência motivou o fim de quase todos os estacionamentos da região — os assaltos a veículos aumentaram 12%.

Depois de queda, o número de homicídios voltou a subir: em 2013 ocorreram 16 casos, oito em 2014 e em 2015 foram 11.

Adalberto tem saudade dos áureos tempos que viveu em PiedadeEstefan Radovicz / Agência O Dia


FUNCIONÁRIOS SEM DIREITOS

Ex-funcionários da Gama Filho alegam estar na fila e sem nenhuma satisfação para receber seus salários atrasados desde o fechamento da universidade. É o caso de Janete Sebadelhe, que dedicou 32 dos seus 60 anos ao cargo de assistente adminsitrativa da instituição. Ela alega estar à espera do FGTS, férias e dinheiro da rescisão. Entrou na Justiça mas, pelo menos das audiências que participou, ainda não teve resposta alguma. “A gente só fica sabendo, nunca de forma oficial, que vai haver uma penhora, mas é tudo na conversa. Enquanto isso, seguimos na fila.”

Ano passado, o governador Luiz Fernando Pezão vetou proposta de desapropriação do terreno. O projeto de lei do deputado Paulo Ramos (Psol) havia sido aprovado na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). “Não imaginava que o fim dessa instituição tão antiga e importante seria esse. Foram muitas falcatruas”, opina Janete.

Últimas de Rio De Janeiro