Turistas pedem mais bancos e lixeiras na Praça Mauá

Eduardo Paes andou de skate, lutou esgrima e tirou selfies na região, que voltou a ter vista para o mar

Por O Dia

Rio - Quatro anos após ser fechada para obras do Porto Maravilha, a Praça Mauá foi reinaugurada ontem pelo prefeito Eduardo Paes. Seis vezes maior que a original, agora com 25 mil metros quadrados e longe da fama que carregava no passado, sua vista para a Baía de Guanabara parece ter deixado o prefeito tão entusiasmado que, com o secretário Pedro Paulo a tiracolo, Paes tirou selfies e ensaiou um passeio de skate. O entusiasmo oficial não foi abalado sequer quando ele tentou lutar esgrima com atletas que participaram da festa.

A animação do prefeito contagiou Emilie e Gilles Attulini, casal de franceses que mora no Rio há três anos. “É muito legal para passear”, disse Emilie, 34. Para Gilles, a mudança da praça é flagrante. “Ficou muito diferente, é impressionante”, afirmou o francês.

Paes não escondeu a alegria com a entrega da Praça Mauá%2C a primeira da Orla Luiz Paulo Conde%2C que teve shows e presença da populaçãoSeverino Silva / Agência O Dia

Com a revitalização, a cidade reencontra sua história. “É um marco que vai mudar a imagem antiga do local, uma integração do Centro com o restante da cidade”, falou o prefeito, logo após suas aventuras. E a imagem mudou para a carioca Viviane Gomes, 22. Grávida de sete meses, ela foi pela primeira vez à praça. “Agora virei sempre e, quando o Maurício nascer, vou trazer ele para brincar”, contou ela, moradora do Santo Cristo.

A Praça Mauá é a primeira inaugurada na nova Orla Prefeito Luiz Paulo Conde, que recebeu o nome em homenagem ao ex-prefeito, falecido mês passado. “Há seis anos ninguém imaginaria isso. É um dia que resgata o passado, sem deixar de olhar para o futuro e para o Centro, porque uma cidade sem centro é cidade sem alma”, acrescentou o prefeito. Paes dedicou a reabertura da praça a todas as crianças, principalmente aos filhos de todos os cariocas.

Ao longo de todo o dia, quem passou pela Praça Mauá pôde conferir a programação gratuita com diversas atrações.

Turistas pedem banco e lixeiras

Apesar da revitalização ter sido bastante elogiada, alguns frenquentadores apontaram onde pode haver melhorias. Multados pelo Lixo Zero, algumas pessoas reclamaram que não havia lixeiras suficientes no local. Os paulistas Pilar de Oliveira, 39, e Marcelo Pires, 28, que vieram de São Paulo para visitar a família, aproveitaram a estadia para conhecer o local. Para eles, faltou também um espaço para as pessoas ficarem mais confortáveis. “A praça mudou a cara da cidade, mas sentimos falta de bancos e mesinhas, e de um lugar para a gente sentar, conversar e se sentir confortável”, observou a advogada. Questionado, o prefeito prometeu que fará as instalações e melhorias necessárias.

De peão a visitante vip

Responsáveis pela transformação da Praça Mauá, trabalhadores da obra viveram seu dia de visitantes ilustres. Cleriston Barbosa, 29, emocionado, não escondia a alegria. Acompanhado da família, ele se divertiu no lugar que ajudou a construir. “É muita felicidade e um orgulho enorme fazer parte desta história, agora estou do outro lado”, brincou ele, que começou como pedreiro e virou encarregado da obra. Os trabalhadores foram recebidos gratuitamente no Museu de Arte do Rio (MAR), que fica no Porto Maravilha. Eles foram conduzidos por um guia especializado em visita panorâmica de apresentação do museu, acervo e arquitetura.

A esposa de Cleriston era só orgulho do marido. “Estou muito orgulhosa dele e muito feliz porque é uma conquista, é muita felicidade saber que ele esteve aqui desde o início”, contou Claudia Pereira Santos, 32.
Pela primeira vez em um museu, Cleiton Assis,10, filho do encarregado, estava ansioso. “Nunca fui ao museu, estou muito curioso”, disse o empolgado menino.

SOBE

É bem arborizado. O local tem cinco canteiros de flores, todos gramados, árvores que foram preservadas e árvores novas, arbustos e um visual lindo.

A obra levou em consideração a acessibilidade de pessoas com necessidades especiais, facilitando a locomoção de todos pelo espaço e promovendo a inclusão social.

Com 25 mil metros quadrados, a Praça Mauá tornou-se o local ideal para o lazer dos cariocas, bem no meio da cidade. O projeto proporcionou um espaço para convivência e para a prática de esportes como, andar de skate, patins, bicicleta e todo tipo de atividade ao ar livre.

DESCE

Faltaram mesas e bancos na Praça Mauá, um local onde os visitantes pudessem sentar e conversar com conforto e apreciar o espaço tranquilos.

As lixeiras não foram suficientes para um local aberto, de tamanha dimensão. Além serem poucas, as poucas peças estavam muito distantes uma da outra.

Reportagem de Aline Cavalcante

Últimas de Rio De Janeiro