Violência cai na Lapa, coração da boemia do Rio de Janeiro

Operação Lapa Presente registra queda de mais de 90% em roubos e furtos na região em dois anos

Por O Dia

Rio - Em cada esquina, pelo menos dois agentes uniformizados. Alguns circulam de bicicleta. Param, conversam com frequentadores dos bares e casas noturnas. Alguns falam inglês, língua de muitos turistas que passam por ali. A rotina de violência que dominava as noites do bairro mais boêmio do Rio até meados de 2013 mudou com a chegada da Operação Lapa Presente, a partir de 1º de janeiro de 2014. O índice de roubos e furtos caiu mais de 90% nos primeiros seis meses deste ano em relação ao mesmo período de 2013, quando não havia a ação.

Dados do Escritório de Indicadores da Polícia Militar revelam que os registros de roubo na região do Rio Antigo despencaram 95%: foram 269 casos naquele ano, contra apenas 13 neste. Já os furtos, que chegavam a 797, passaram para 52 casos, uma queda de 93% no período.

Mais autuações%3A agentes do Lapa Presente em abordagem sob um dos cartões postais da cidadeAlexandre Brum / Agência O Dia

A decisão de criar um grupo especial de patrulhamento na região foi tomada pelo governo estadual após a forte pressão de comerciantes locais, indignados com três mortes violentas em apenas uma semana, em dezembro de 2013. Em um dos casos, a vítima foi o dono de um bar. Por fim de semana, cerca de 60 mil pessoas circulam pela região, calculava um dos organizadores do movimento.

Leonardo Bettamio, sócio do Leviano Bar, aprova a medida. “Com o aumento de segurança, os clientes se sentem mais protegidos para circular pelo bairro e, sem dúvida, foi um ganho para todos.” Morador da Rua dos Inválidos e cantor nas noites da Lapa, Allende Pereira, de 40 anos, também acha que a sensação de segurança aumentou na região.

“Mudou principalmente na questão dos pivetes. Os adolescentes que frequentavam as noites da Lapa e eram responsáveis por pequenos furtos e arrastões se afastaram.” Mas faz uma ressalva: “A atuação poderia ser mais abrangente, foca muito nos Arcos e em algumas esquinas pontuais, onde se concentra a maior parte dos bares e casas noturnas. Eles deveriam se espalhar mais pela Lapa inteira, para uma ação mais efetiva.”

Pezão quer levar modelo de segurança para mais áreas

Se comparado o mesmo período de 2015 com o de 2014, foram 396 casos de furtos e 161 de roubo — uma redução de 86% e 92%, respectivamente. A Operação envolve 76 PMs e 48 agentes civis de mais sete órgãos: Secretaria de Estado de Governo, Guarda Municipal, secretarias municipais de Ordem Pública, Assistência Social, Conservação e Transportes e Comlurb.

Identificados por braçadeiras e equipados com rádios de comunicação, eles patrulham a área com 24 bicicletas e 11 viaturas, de domingo a quinta-feira, das 19h às 3h, e na sexta-feira e sábado, das 21h30 às 5h30.

“Toda a área do Rio Antigo e, principalmente, a Lapa tem um carinho muito especial do carioca pela memória afetiva que a região traz. A Lapa Presente é uma ferramenta importante de combate à criminalidade e temos interesse de levar esse modelo de policiamento a outras regiões da capital”, afirmou o governador Luiz Fernando Pezão.

O Disque Lapa Presente (97954-2424 e 97954-2525) já recebeu 2.046 ligações.

Últimas de Rio De Janeiro