Beltrame volta a pedir penas mais duras para bandido preso com arma de guerra

Em reunião com líderes de partidos, secretário também se posicionou contra flexibilização do Estatuto do Desarmamento

Por O Dia

Rio - Em um encontro com o presidente do Senado Renan Calheiros, na manhã desta quarta-feira, o secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, voltou a defender penas mais rígidas para bandidos que forem preso com armas de uso restrito.

Durante a reunião com os líderes de partidos na Câmara e no Senado, Beltrame também se posicionou contra a flexibilização do Estatuto do Desarmamento. As propostas de penas mais rígidas para quem for pego com armas de guerra e o manifesto a favor da manutenção do estatuto foram apresentadas no último dia 2 pelo secretário a deputados do Rio.

Beltrame se reuniu nesta quarta-feira com líderes de partidos na Câmara e no Senado e voltou a defender penas mais rígidas para quem for pego com arma de uso restritoAntonio Cruz / Agência Brasil

"Não podemos permitir a flexibilização num país que possui grande número de pessoas vitimadas por arma de fogo. Então, mais uma vez, voltamos a pedir a aprovação da proposta de punição exemplar para quem for pego com armas de uso restrito para que as pessoas sintam que não vale a pena usar qualquer tipo de arma, que dirá um fuzil ou granada", disse.

LEIA MAIS

Beltrame pede pena mais rígida para criminosos com armas de guerra

Chefe do tráfico na Vila Aliança é preso

Polícia prende 'Canelão', chefe da Proença Rosa e cunhado de Jean Piloto

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, mais um fuzil é preso por dia no Rio. Nesta quarta-feira, o cunhado de Jean Piloto e chefe do tráfico da Favela do Proença, Ruan Vinícius Alves, conhecido como 'Canelão'. Ele estava em posse de um fuzil calibre 762 FAL, de uso exclusivo das Forças Armadas.

Ontem, Rafael Alves, o Peixe, de 32 anos, chefe do tráfico na Vila Aliança, foi preso em um condomínio de luxo na Barra da Tijuca por policiais do Bope. Segundo policiais que participaram da operação, Peixe ofereceu R$ 1 milhão e 15 fuzis aos agentes para não ser preso.

Últimas de Rio De Janeiro