Ministério Público denuncia acusados de atentado contra prefeito de Paraty

Denúncia é contra os três acusados de tentar matar o prefeito Carlos José Gama Miranda e um funcionário da prefeitura

Por O Dia

Prefeito de Paraty%2C Casé%2C como é conhecido%2C foi baleado de raspão durante atentadoReprodução Facebook

Rio - O Ministério Público do Rio (MPRJ), através do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), denunciou os três acusados de tentar matar o prefeito de Paraty, Carlos José Gama Miranda, e o funcionário da prefeitura Sérgio José Miranda. O crime aconteceu no dia 19 de maio deste ano.

José Carlos Godoy Bustamante, Jorge Porto Júnior, conhecido como “Romarinho”, e Gilcélio Porto, vulgo “Buda”, estão presos temporariamente e tiveram a prisão preventiva requerida junto à Vara Única da Comarca de Paraty.

Segundo a denúncia, o prefeito Carlos José Gama Miranda foi atingido, por volta das 19h, quando deixava a prefeitura na companhia de Sérgio José Miranda, na Avenida Princesa Isabel, no bairro Pontal. Os dois foram baleados na cabeça por José Carlos Bustamante, que os aguardava do lado de fora do prédio, em uma moto, e fugiu após os disparos.

Romarinho e Buda planejaram o crime em retaliação a uma ação judicial de reintegração de posse movida contra eles. Eles ofereceram R$ 500 a José Carlos pela execução e, pouco tempo depois dos disparos, ainda escoltaram o executor, utilizando o veículo Fiat Palio que pertence a Romarinho.

LEIA MAIS

Suspeitos de tentar assassinar prefeito de Paraty são presos

Disputa por terreno teria motivado atentado contra prefeito de Paraty

O MP alega que a ação dos criminosos resultou em perigo comum, uma vez que os disparos foram efetuados em plena via pública, em local com intenso fluxo de pessoas e impossibilitou a defesa das vítimas. A investigação contou com o apoio do trabalho de perícia realizada pela Divisão de Evidências Digitais e Tecnologia da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (DDIT-CSI) do MPRJ e foi realizada em conjunto com a Coordenadoria de Inteligência da PM e com a Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF).

Segundo os promotores que atuam no caso, apesar da denúncia aos envolvidos já identificados, a investigação vai continuar para apurar a existência de outros envolvidos no atentado.

Últimas de Rio De Janeiro