Policiamento nas praias é reforçado contra arrastões no final de semana

Policiais militares voltarão a revistar passageiros dos ônibus

Por O Dia

Rio - No caminho para a praia, 17 pontos de bloqueio. Essa é uma das medidas da Polícia Militar para evitar arrastões e vandalismo na orla no próximo fim de semana. A volta da revista nos ônibus foi anunciada nesta terça-feira, junto com outras ações que fazem parte da Operação Verão, antecipada em três semanas.

Representantes das polícias Militar e Civil, da Guarda Municipal e das secretarias municipais de Desenvolvimento Social (SMDS), de Transportes e Especial de Ordem Pública (SEOP) se reuniram ontem para definir as estratégias.

As delegacias da Zona Sul estarão com as equipes reforçadas para agilizar o atendimento às ocorrências. A PM atuará com mais de 700 agentes de diferentes batalhões, com o apoio do Batalhão de Choque, Batalhão de Ações com Cães, Batalhão de Policiamento em Grandes Eventos e da Polícia Montada, conforme O DIA antecipou esta semana.

Os presos são acusados pela polícia de integrar o tráfico e participar de crimes nas praias da Zona SulSeverino Silva / Agência O Dia

A SEOP e a Guarda Municipal vão atuar em sete tendas nas areias entre os postos 6 e 9, com 300 agentes, assim como policiais do Batalhão de Policiamento em Grandes Eventos, que estão capacitados para trabalhar em aglomerações e com armamento não-letal.

Os policiais vão revistar passageiros e, em caso de suspeita de menores em situação de risco, haverá o apoio da SMDS, que vai avaliar a situação. Agentes da secretaria também vão atuar com duas tendas montadas em pontos estratégicos da orla da Zona Sul (Postos 7 e 9).

Suspeitos de roubos na orla são presos na Penha

Dois passos no combate à onda de arrastões na orla carioca foram dados ontem pelas polícias Civil e Militar. Em uma megaoperação no Complexo da Penha, agentes da 22ª DP (Penha) prenderam 28 criminosos, entre eles quatro acusados de integrar o Bonde do Coreto, grupo suspeito de participar dos crimes na Zona Sul. No fim do dia, a Polícia Militar divulgou uma série de medidas para impedir que as cenas de violência na praia do último fim de semana se repitam.

Paulo H. B. Silva, o Gordinho; Thiago S. Cardoso, o TH; Matheus L. M. da Silva, o Natalino; e Yago Reis Teixeira, foram reconhecidos pelos policiais por praticar roubos nas praias, mas sua participação nos arrastões do último fim de semana ainda será averiguada.

“O Coreto é formado por criminosos de diversas comunidades, mas as principais são os complexos da Penha, Alemão, Nova Holanda, Jacarezinho e Manguinhos. Especificamente do último caso de arrastão, no fim de semana, não temos como precisar, mas estes acusados presos praticam diversos roubos na Zona Sul e Centro do Rio”, frisou o delegado Carlos Eduardo Rangel.

Nas redes sociais, os grupos Coreto e Injeta estimulam mais arrastões nas praias da Zona Sul e também a venda de produtos roubados. A página, que tem mais de três mil curtidas, tem fotos dos crimes que chocaram os cariocas no último fim de semana. A Polícia Civil, através da Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI), monitora a conta na rede social.

“Os produtos roubados são revendidos em feiras livres e portais de venda ilícita. É importante que a população tenha consciência e não compre esses produtos”, disse o delegado Rangel.

Na operação de ontem, oito pessoas foram presas em flagrante, acusadas de tráfico de drogas nas comunidades Vila Cruzeiro e Parque Proletário. Entre os suspeitos, está um dos líderes locais do Comando Vermelho (CV), Alexandre Vieira, o Grande. A ação, batizada de Esparta, visava cumprir 42 mandados de prisão. Participaram 700 policiais. Foram apreendidos celulares, cordões de ouro, drogas e munições de fuzil.

A ação deixou 1.164 alunos sem aulas em três escolas e duas creches municipais da Penha e Vila Cruzeiro.

Reportagem de Caio Barbosa, Guilherme Santos e da estagiária Clara Vieira

Últimas de Rio De Janeiro