Imagens mostram criminosos suspeitos de matar PM em São João de Meriti

Bandidos descem de carro, andam tranquilamente em direção a salão de beleza e, depois do assassinato, fogem

Por O Dia

Rio - Uma vida em um minuto. Imagens de câmeras de segurança obtidas com exclusividade pelo DIA mostram que 60 segundos foi o tempo necessário para que bandidos invadissem um salão de beleza em São João de Meriti e tirassem a vida policial militar Alyson Leonardo Egidio Alves.

Morto na tarde desta quinta-feira, o PM era lotado na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) Salgueiro e foi morto na frente da esposa, na Rua Brilhante, no bairro Coelho da Rocha, na Baixada Fluminense. 

No registro, é possível ver que, às 16h55, um veículo modelo HB 20 vinho chega a uma rua perpendicular à do salão de beleza e os bandidos desembarcam.

Dois dos criminosos descem do carro e saem andando tranquilamente enquanto o veículo segue. Os bandidos chegam a parar na calçada para conversar e, rindo, continuam em direção ao salão.

Às 16h56, o vídeo mostra pessoas correndo, entre elas os criminosos em fuga. Um deles está com uma arma na mão, que pode ser a arma que Alyson estava, o único pertence roubado do PM. Em seguida, os criminosos entram no HB 20, que os esperava na esquina, e fogem.

O PM foi sepultado na tarde desta sexta-feira, no Cemitério de Irajá. Alyson foi baleado com tiros no rosto e um nas costas do soldado, que foi socorrido para o Posto de Atendimento Médico (PAM) de São João de Meriti, mas não resistiu. A cunhada dele também foi atingida na perna.

Outro PM morto nesta sexta-feira

Na manhã desta sexta-feira, mais um PM foi morto pelas mãos de bandidos. O sargento Marcelo de Moraes, do 16ºBPM (Olaria), foi morto em uma tentativa de assalto em Sulacap, na Zona Oeste do Rio. A irmã da vítima, Márcia Moraes, não escondeu a revolta com trágica morte do PM que estava há 20 anos na corporação.

"A farda era o amor da vida dele, ele amava ser policial. Fico revoltada com a morte dele, porque as pessoas estão preocupadas com os bandidos mirins do que com os policiais. Quando morre um policial, as pessoas não dão tanta importância", desabafou.

'A farda era o amor da vida dele', diz irmã de PM assassinado em Sulacap

Últimas de Rio De Janeiro