Barra em Dia: Uma estreia teatral histórica na Barra

O mês de outubro irá reescrever a história do teatro no bairro

Por O Dia

Rio - Quem pensava que a vida teatral da Barra se resumia a comédias escrachadas e humor barato pode tirar o cavalinho da chuva.O mês de outubro irá reescrever a história do teatro no bairro. Vai estrear no Teatro Bradesco - uma das melhores e maiores salas do Rio- o musical ‘Kisse me, Kate’ , um clássico musical norte-americano, que tem como autor Cole Porter. A façanha é da dupla Cláudio Botelho e Charles Möeller e trará um elenco de peso. Uma super produção que abrirá a cortina pela primeira vez na Barra. É a segunda oportunidade em que a dupla aposta na Zona Oeste.

A outra estreia na Barra da dupla Möeller & Botelho foi o ‘Saltimbancos Trapalhões’, com Renato Aragão. O novo musical trará o global José Mayer no papel principal ao lado da talentosa Alessandra Verney e o colequinha Chico Caruso no papel de um gangster. Ele já esteve em cena em pequenas produções e agora estreia em superprodução no dia 30. A noite Vip será no dia 28. A vida cultural da Barra agradece!

DUPLA DO BARULHO%3A Quem viu os ensaios de ‘Kiss Me%2C Kate’ revela que está difícil segurar o riso com a química entre Chico Caruso e José Mayer. Vai ser sucesso! Divulgação

O primeiro grande sucesso de Cláudio e Charles foi exatamente um musical sobre a vida do compositor americano e que teve Verney no elenco principal: ‘Cole Porter - Ele nunca Disse que me Amava’. Segundo a própria dupla foi o grande sucesso essa obra que abriu o caminho para o renascimento do teatro musical brasileiro. A nova produção ganhou o prêmio Tony .

Serão 22 atores em cena, orquestra com 12</MC> músicos e tradução de Cláudio Botelho, direção do Charles Möeller e produção executiva de Tina Salles. ‘Kiss Me, Kate’ ficará dois meses em cartaz no Teatro Bradesco. Pacotes envolvendo a hotelaria estão sendo articulados, já que deverá atrair uma legião de fãs de todo o Brasil. É a primeira vez que este teatro abre a pauta principal por tanto tempo a uma única produção.

VERGONHA

Deixa a desejar a agenda da Cidade das Artes. O megapalco deveria ser o centro da vida cutural da Barra e a programação é pífia. O maior sucesso foi os ‘Saltimbancos Trapalhões’ de Möeller & Botelho. A agenda tem jeito de chapa branca. Uma vergonha.

FUGINDO DA LAGOA

O secretário de Ambiente André Correa está correndo da agenda da Barra como o diabo foge da cruz. Há semanas, líderes das associações do bairro tentam marcar uma agenda sem sucesso. A iniciativa da despoluição das lagoas da Barra continua engavetada.

TERRA DESENCANTADA

Todo mundo sabe que a Queiroz Galvão e a Cyrella assumiram o terreno do parque Terra Encantada. A maior área livre da Barra. O que ninguém entende é porque não fizeram uma intervenção para acabar com o foco de mosquitos, mato e lixo da cidade fantasma.

PARATY É NA TRANSOESTE? Parece até montanha russa, devido às irregularidades na pista. O pior é que a Prefeitura culpa a empreiteira e ela culpa a administração municipal. Corremos o risco de um acidente similar ao ônibus em Paraty. Fica o alerta!

CURTAS

A jornalista Márcia Romão e a escritora Maria Araujo recebem em Paris a MedalhaVermelha da Sociedade de Incentivo.

A LEADER KIDS, programa educacionais para crianças de 02 a 10 anos está ampliando a atuação na Barra; Seis escolas da Barra já adotaram o método e agora procura franqueados.

O brunch do Sheraton voltou a ser o ponto de encontro das famílias na Barra, aos domingos.

Os filhos do ex-Senador Ney Suassuna abriram uma loja de carnes exóticas na Barra. É possível comprar avestruz, javali e até carnes de caça. Tudo com selo do Ibama.

Na próxima sexta, haverá reunião do Comitê de Segurança da Barra para conhecer o projeto da integração dos sistemas de vigilância.

Nilo Sérgio Felix, secretário estadual de Turismo, entregou 10 mil exemplares para a Protel distribuir nos condomínios que administra na Barra do Guia Rio +3 vendendo o interior do estado.

Em uma reunião de entidades da Barra foram listadas as promessas do documento assinado pelo então candidato Pezão.Nem 10% foram executados. Vai haver cobrança pública.

Coluna de Cláudio Magnavita

Últimas de Rio De Janeiro