Polícia Federal faz operação na Maré e deixa mais de 3 mil alunos sem aulas

PMs do Bope e Choque dão apoio a ação que visa desarticular quadrilha de roubo a bancos baseada no Parque União

Por O Dia

Rio - O Complexo da Maré e arredores enfrentaram nesta terça-feira mais um dia de tiroteio e medo: moradores apavorados durante uma operação policial, aulas suspensas para mais de três mil alunos e várias interdições no trânsito da Avenida Brasil. A operação foi realizada pela Polícia Federal, com apoio do Batalhão de Operações Especiais (Bope), para cumprimento de mandados de busca e apreensão contra uma quadrilha especializada em assalto a banco. O bunker dos criminosos seria no Parque União.

A região é ocupada por Forças de Segurança há quase três anos. Moradores foram revistados pelas vielas e o comércio local permaneceu fechado durante todo o dia, numa cena que remete ao período anterior à ocupação da região pelo Exército, em 2013.

Polícia Federal faz operação no Parque União%2C na Maré%2C com apoio do Bope e Choque para cumprir mandados de busca e apreensão contra quadrilha de roubo a bancosDaniel Castelo Branco / Agência O Dia

O aparato militar de ontem incluía um veículo blindado e um helicóptero. De acordo com a assessoria de imprensa da Polícia Federal, o trabalho era um desdobramento da Operação Boca de Lobo, realizada na Região dos Lagos, na segunda-feira, quando um homem de 52 anos, apontado como chefe da quadrilha, foi preso.

Contra ele, que foi encontrado na Praia de Jaconé, em Saquarema, havia quatro mandados de prisão pendentes por pelo menos nove roubos contra agências da Caixa Econômica Federal.

Ainda segundo a Polícia Federal, os mandados de busca e apreensão no Complexo da Maré foram cumpridos. Os documentos da quadrilha serão anexados às investigações.Ninguém, no entanto, foi preso ontem. Já a PM informou que o Bope apreendeu 468 pinos de cocaína, sacolés de maconha e crack, além de um carregador de fuzil. A ocorrência foi encaminhada para a 21ª DP (Bonsucesso).

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação, quatro escolas, três creches e dois Espaços de Desenvolvimento Infantis ficaram sem atendimento, deixando 2.652 alunos sem aula. Já a Secretaria Estadual de Educação informou que mais de 380 alunos do Ciep Professor César Pernetta não tiveram expediente, mas terão seus conteúdos didáticos repostos. Ao todo, a violência em 2015 já suspendeu 24 dias de aula.

GALERIA: Polícia faz operação no Parque União