Crise paralisa programa da Marinha de fabricação de submarinos em Itaguaí

Aperto nas contas do governo federal causou mais demissões e quem ainda trabalha no programa ficou sobrecarregado

Por O Dia

Rio - O aperto nas contas do governo federal praticamente paralisou o programa da Marinha de fabricação de submarinos em Itaguaí — quatro convencionais e um nuclear. Há dois meses, o Informe publicou que a atividade havia caído em cerca de 50%.

De lá pra cá, a situação piorou muito. Mais trabalhadores foram demitidos e os que ficaram têm, principalmente, a função de manter as estruturas já concluídas. As obras também incluíam a construção, pela Odebrecht, de um estaleiro e de uma base naval.

Cedae na mira 

Por conta da falta de grana, o Palácio Guanabara voltou a avaliar a venda de parte das ações da Cedae.

Esgoto privado

Sem fôlego para mais investimentos, o governo quer repassar para a iniciativa privada o direito de construir e explorar a rede de esgotos da Baixada e São Gonçalo. A rede de água está sendo implantada pela Cedae, que recebeu financiamento de R$ 3 bilhões da Caixa.

No vermelho

Pezão já esteve mais animado. Por mais coelhos que sua equipe tire da cartola, as contas do estado não fecham.

Sem cinto

Pesquisa do DataScript no Rio revela que 82% dos entrevistados não afivelam o cinto de segurança do banco traseiro ou pedem para que passageiros de seus carros o utilizem.

Últimas de Rio De Janeiro