'Covardia de quem não é humano', diz amigo de professor morto na Baixada

Assassinado brutalmente, Felipe Lavina Machado, de 27 anos, foi sepultado nesta segunda-feira, em Mesquita

Por O Dia

Rio - A Divisão de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF) segue investigando a morte do professor de educação física Felipe Lavina Machado, de 27 anos. Ele foi rendido na manhã de domingo dentro de casa, em Mesquita, na Baixada Fluminense, e assassinado com um tiro na cabeça. Ele foi sepultado nesta segunda-feira, no Cemitério Jardim de Mesquita, e amigos da vítima, que também era sócio de uma academia no mesmo município, usaram as redes sociais para lamentar o crime brutal.

O empresário e professor Felipe Lavina Machado%2C de 27 anos%2C foi sepultado na manhã desta segunda-feira%2C no Cemitério Jardim de MesquitaReprodução / TV Globo

"Difícil acreditar, a ficha não cai. Uma covardia enorme de alguém que certamente não é humano. Uma mistura de raiva, tristeza e indignação toma o meu coração. Que Deus conforte os corações de sua família e amigos. Não tenho dúvidas de que você está num lugar muito melhor e em paz pois é isso que você merece irmão, descansar nos braços do Pai", escreveu.

LEIA MAIS: Professor de educação física é sequestrado e morto a tiros

"Sem palavras para expressar a tristeza de perder um grande amigo. Só quem te conhecia, sabe o quanto você gostava de viver. Um rapaz de bom coração e muito querido por todos. Meu amigo, que Deus possa confortar nossos corações e de seus familiares pois sentiremos muito sua falta. Guardaremos sempre na memória os bons momentos que vivemos ao seu lado irmão", disse outro amigo de Felipe.

'Meu filho entrou para a estatística', lamenta pai de Felipe

Bastante abalado, Wilson Machado Filho, pai de Felipe Lavina, desabafou após o sepultamento do professor. "O meu filho entrou para mais uma estatística. Um garoto bom que só sabia trabalhar e estudar", lamenta.

De acordo com as investigações, os assassinos do professor Felipe Lavina Machado conheciam a rotina da vítimaReprodução Facebook

O professor estava em casa, no bairro Therezinha, quando foi rendido por três criminosos armados por volta das 5h. Ele foi levado em seu próprio carro com a namorada até o bairro K11, em Nova Iguaçu, onde foi executado. A mulher foi liberada no caminho.

De acordo com as investigações, os bandidos conheciam a rotina de Felipe, já que ao chegar na residência foram direto para o quarto perguntando onde estava o cofre. Os criminosos levaram R$ 10 mil que seria para o pagamento dos funcionários da vítima. Além disso, dois estavam encapuzados e mudavam o tom de voz para não serem reconhecidos.

Amigos usaram as redes sociais para desabafar sobre o assassinato de Felipe Lavina MachadoReprodução Facebook

No mesmo dia, os policiais encontraram o carro do irmão de Felipe usado pelos bandidos. Familiares e a namorada de Felipe Lavina prestaram depoimento da delegacia e agentes realizam diligências em busca de testemunhas e imagens de câmeras de segurança da região que ajudem a identificar os autores do crime.

Últimas de Rio De Janeiro