Polícia Civil prende acusados de participarem de milícia na Zona Oeste

Dez pessoas foram presas durante operação da 35ªDP (Campo Grande) na capital e Baixada Fluminense

Por O Dia

Rio - Uma operação da 35ª DP (Campo Grande) prendeu nesta segunda-feira nove homens e duas mulheres acusados de integrar uma milícia que atua na Zona Oeste do Rio. A quadrilha tem envolvimento com a Liga da Justiça, do ex-PM Toni Ângelo e Ricardo Teixeira da Cruz, o Batman.

As investigações começaram há dois meses, quando empresas que fazem parte do distrito industrial de Campo Grande informaram à polícia sobre uma cobrança mensal feita pela ‘segurança’ no local. Além da ‘taxa para proteção’, os milicianos exigiam que as firmas entregassem caminhões com cimentos e concreto. Pelo tempo de atuação, o grupo paramilitar pode ter lucrado R$ 700 mil.

“Eles faturavam por mês R$ 350 mil e atuaram durante dois meses. Eles prometiam destruir a empresa de quem não pagasse pelo serviço e nem entregasse o que era exigido”, explicou o delegado Marcelo Ambrósio. Ele acrescentou que o grupo também começou a extorquir comerciantes de bairros como Cosmos, Santíssimo, Campo Grande, Inhoaíba e Santa Cruz.

Ainda de acordo com o delegado Marcelo Ambrósio, entre os líderes estão dois irmãos: Robson Manuel da Silva e Leandro Manuel da Silva. O segurança do bando, Valtair Koca Terra, também foi capturado. Ele e Leandro estavam com pistolas, quando foram detidos.

“Os líderes sempre andavam armados e Valtair era o segurança do grupo e, segundo testemunhas, é quem sempre circulava com armas de grosso calibre pela região para amedrontar os funcionários das empresas”, detalhou o delegado, que tem cinco dias para concluir o inquérito.

Além deles foram presos Tiago Souza de Oliveira, Cesário Manuel da Silva, Júlio César dos Santos Viana, Cosme Leandro Batista de Menezes, Gilberto Venâncio, Carlos Eduardo da Silva, Thamiris Oliveira de Souza (namorada de Leandro), e Gilcilene Pereira de Faria da Silva (esposa de Leandro).

Contra todos foram cumpridos mandados de prisão temporária por extorsão e constituição de milícia privada. Valtair e Leandro foram autuados ainda por porte ilegal de arma de fogo.

Últimas de Rio De Janeiro