Guarda provisória de bebê que nasceu em cela é concedida aos tios maternos

Criança nasceu dentro da Penitenciária Talavera Bruce, no Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste do Rio

Por nicolas.satriano

Rio - Foi concedida aos tios maternos a guarda provisória do bebê nascido dentro de cela isolada na Penitenciária Talavera Bruce, no Complexo de Gericinó, em Bangu, na Zona Oeste. A decisão é do juiz Sergio Luiz Ribeiro de Souza, titular da 4ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso. 

“Os resultados dos estudos social e psicológico que pedi para fazer com urgência foram positivos em relação à família da criança. Os tios maternos já podem pegar o Termo de Guarda Provisória”, afirmou o magistrado. Com a decisão, o bebê já pode deixar o Abrigo Evangélico da Pedra de Guaratiba e ir para casa. A guarda definitiva só sairá ao final do processo.

Tios visitam criança

Em visita à sobrinha nesta quinta-feira, o tio da bebê, que nasceu dentro de uma cela na Penitenciária Talavera Bruce, no Complexo de Gericinó, em Bangu, disse que a menina passa bem. De acordo com Alace Machado, a estrutura do local para onde a menina foi levada é "maravilhosa" e a bebê "está muito bem". 

Por decisão de juiz da 4ª Vara da Infância, da Juventude e do Idoso, em Campo Grande, a recém-nascida foi encaminhada ao Abrigo Evangélico em Pedra de Guaratiba, também na Zona Oeste.

Até o ínicio desta tarde, ainda não havia decisão sobre o destino e a menina permaneceria no abrigo até que uma equipe designada pela Justiça, composta por psicólogos e assistentes sociais, devolvesse o juízo um estudo social e psicológico da família materna (os tios, Alace Machado e Déborah Esteves).  

No dia 11 de outubro, B., grávida de nove meses e sofrendo de esquizofrenia, deu à luz enquanto estava na solitária do presídio. Mesmo com os gritos e pedidos de ajuda de outra detenta, a gestante só saiu do isolamento com o bebê já no colo e com o cordão umbilical ainda ligado ao corpo. 

Após o episódio, o titular da Vara de Execuções Penais (VEP), juiz Eduardo Oberg, determinou o afastamento provisório da diretora do presídio, Andréia Oliveira, assim como da subdiretora, Ana Paula da Silva Carvalho.


Uma assinatura que vale muito

Contribua para mantermos um jornalismo profissional, combatendo às fake news e trazendo informações importantes para você formar a sua opinião. Somente com a sua ajuda poderemos continuar produzindo a maior e melhor cobertura sobre tudo o que acontece no nosso Rio de Janeiro.

Assine O Dia