Mulher que foi apalpada por cabo da PM está com medo de sofrer represálias

Lotado no batalhão de Irajá, policial responderá processo administrativo e pode ser demitido

Por O Dia

PM aparece em foto que circula nas redes sociais apalpando jovemWhatsApp O DIA (98762-8248)

Rio - A viatura da PM pertence ao poder público. Disso ninguém tem dúvidas. A farda é símbolo de autoridade, requer postura e respeito. Tudo isso, porém, não impediu o cabo da PM, identificado apenas como Varanda, do 41º BPM (Irajá), de fazer confusão do que é público com o privado. Sorridente, o policial aparece apalpando o bumbum de uma amiga, de 20 anos, em foto enviada ao WhatsApp do DIA (98762-8248).

Por causa disso, ele foi preso no final da tarde de sábado. O castigo durou pouco, Varanda foi solto ontem pela manhã. A saliência que caiu nas redes sociais pode resultar até em demissão. Em nota, a Polícia Militar informou que a Corregedoria determinou ao Comando do 41º BPM o prosseguimento da apuração sumária sobre o fato e a instauração de um processo administrativo disciplinar, para avaliar a permanência do policial na corporação.

Para o psicólogo Marcelo Gesualdi, em regra, as pessoas estão confundindo o público com o privado. "Antes mesmo de tirar a foto, o policial já fez a confusão. E só o fato de ter permitido a fotografia já correu o risco da divulgação, mesmo sabendo que isso é incompatível durante o serviço", analisou Gesualdi.

A balconista J.K., que aparece com o cabo na foto, afirmou ao DIA ter bebido muito quando encontrou o policial, que fazia ronda no bairro de Anchieta, Zona Norte do Rio. “Ele passou na frente da casa onde acontecia uma festa, eu o vi e pedi para fazer uma foto. De início o cabo respondeu que não, mas eu insisti. Fiz a pose, coloquei a mão dele no meu bumbum e uma amiga tirou a fotografia”, recordou.

A moça contou que o PM solicitou que apagasse a fotografia, mas uma amiga já a tinha enviado para um grupo de Whatsapp. “Ele ficou bravo comigo e foi embora. Estou sendo julgada mal e chamada de Maria UPP. Desde sexta-feira que não saio de casa, estou com medo de sofrer represálias”, admitiu ela.

MEMÓRIA

O caso da foto do policial militar com a jovem J. K. não é um fato inédito, já que esta não é a primeira vez que militares se viram em maus lençóis após imagens vazarem nas redes sociais. Em abril do ano passado, fotos e vídeos de policiais militares e de Patrícia Alves, que ficou conhecida como 'Maria UPP' também se espalharam pela internet. Nas imagens que foram divulgadas na rede, os Policiais Militares apareciam fazendo sexo com a jovem.

Em 2012, outro caso foi parar na internet. Um cabo, desta vez do Corpo de Bombeiros, também teve fotos íntimas publicadas. As fotos mostravam o militar em um encontro sexual com um casal dentro do Grupamento da Posse, no município de Nova Iguaçu. 

Depois que as imagens vazaram nas redes sociais, o cabo Anderson Luiz Santana Machado, 34 anos, foi julgado e condenado a sete meses e seis dias de detenção em regime aberto pela Auditoria de Justiça Militar.

Reportagem de Adriana Cruz e Aline Cavalcante

Últimas de Rio De Janeiro