Ainda não é possível parar lama em MG; cidades cortam água para evitar dejetos

Representante da Samarco diz que volume torna impossível fazer estimativa; dejetos devem atingir ES na segunda-feira

Por O Dia

Rio - Apesar de terem passado dois dias desde o rompimento de duas barragens no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), o "tsunami" de lama causado pela tragédia segue avançando pelo Estado de Minas Gerais sem previsão para ser controlado. Alguns municípios anunciaram o corte no abastecimento de água para evitar contaminação.

Distrito de Bento Rodrigues%2C em Mariana (MG) soterrado após duas barragens se romperemAntonio Cruz/Agência Brasil - 7.11.15

De acordo com representantes da mineradora Samarco, que participaram da coletiva de imprensa sobre o balanço da tragédia, neste sábado, o imenso volume de lama que segue causando destruição por onde passa impede a empresa de cravar um momento em que os dejetos serão finalmente barrados. A empresa insistiu ter cumprido na íntegra seu plano de ação emergencial, aprovado pelos órgãos competentes.

A onda de lama, que se desloca ao longo do Rio Doce, deve chegar ao Espírito Santo na próxima segunda-feira, segundo o Serviço Geológico do Brasil, que monitora a situação. A cheia deixou em estado de alerta municípios mineiros ao longo da calha do rio.

Até a tarde deste sábado, a prefeitura de Mariana (MG) havia confirmado uma morte, de um homem de 41 anos, além de 25 desaparecimentos – 13 funcionários e 12 moradores dos distritos de Bento Rodrigues, o mais atingido, Pedras e Camargos. Entre eles há três crianças e uma idosa. 

A Samarco confirmou que está monitorando uma terceira barragem local, de Germano, que, segundo o Corpo de Bombeiros, teria sido afetada pela tragédia. A empresa, no entanto, garantiu que "não há indício de instabilidade" ou de "anomalias" nela.

Água cortada
Dois dias após a tragédia, as prefeituras de Colatina (ES) e Governador Valadares (MG) anunciaram a interrupção do abastecimento de água durante a passagem da lama transportada pelo Rio Doce. A previsão do Serviço Geológico do Brasil é que a lama atinja Governador Valadares na madrugada de domingo (8) e Colatina, na tarde de segunda-feira.

A prefeitura de Colatina informou que o abastecimento será suspenso no momento em que a onda de dejetos atingir a cidade. “Análises serão feitas constantemente até que a qualidade da água seja adequada para o consumo humano. Por este motivo, a administração pede que a população economize água e mantenham seus reservatórios cheios”, informa a nota.

Em Governador Valadares, a prefeitura informou que, quando a lama chegar, o serviço de água da cidade vai desligar as bombas por um tempo, colher amostras e analisar a água. Caso seja possível tratar, garantindo a qualidade, o abastecimento voltará ao normal. Do contrário, será suspenso.

Outro município do Espírito Santo que deve ser atingido pela lama é Linhares. De acordo com a prefeitura, não há risco de contaminação da água que é distribuída a população uma vez que o ponto de captação é feito no Rio Pequeno.

“Além disso, em 18 de outubro, a prefeitura fez uma barragem no Rio Pequeno para manter o volume do rio, e esta barragem servirá como uma barreira que evitará o contato da água do Rio Doce com o Rio Pequeno, garantindo segurança extra para o abastecimento de Linhares”, afirmou o governo municipal em comunicado.

* Com Agência Brasil

Últimas de Rio De Janeiro