Violência tornou-se “normal” para elas

Para a socióloga Rosane Oliveira, doutora em Ciências Sociais pela UERJ, o passado de submissão é o maior fardo

Por O Dia

Rio - Embora o aumento de casos registrados de violência contra a mulher demonstre que as vítimas não tem se deixado intimidar, conforme informou ao DIA, a delegada Sandra Ornellas, chefe da Divisão de Polícia de Atendimento à Mulher (Dpam), o medo do parceiro não é o único obstáculo a ser enfrentado.

Para a socióloga Rosane Oliveira, doutora em Ciências Sociais pela UERJ, o passado de submissão é o maior fardo. “A violência é passada de geração em geração”, diz. Para a especialista, a solução passa pela educação. “Criou-se no imaginário das mulheres de que apanhar é natural e homem é assim mesmo”, diz. Mesmo com a Lei Maria da Penha, a cada 100 mil mulheres cinco são assassinadas. 

Últimas de Rio De Janeiro