Por rafael.souza

Rio - Afim de prestar atendimento contra a violência em mulheres, o Núcleo de Defesa dos Direitos da Mulher Vítima de Violência (Nudem) da Defensoria Pública do Rio de Janeiro, lançou nesta quarta-feira a Campanha Internacional Pela Não Violência Contra as Mulheres, na Praça XV, no Centro.

Por sugestão da Organização das Nações Unidas (ONU), todo dia 25 de cada mês passará a ser considerado o “Dia Laranja”, para que a campanha pelo fim da violência contra a mulher ocorra ao longo de todo o ano. Nesta quarta-feira, teve inicio também a programação de 16 dias de ativismo em defesa da mulher, com encerramento em 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos.

“As datas foram escolhidas para deixar claro que os direitos das mulheres também são direitos humanos”, explica a coordenadora do Nudem, Arlanza  Rebello, que está em Brasília para a comemoração dos dez anos do “Ligue 180”, canal gratuito para denúncias de violência contra a mulher.

A defensora pública Judith Régis, auxiliada por servidores do órgão e do Nudem, prestam orientação jurídica e esclarecimentos sobre o papel da Defensoria na rede de atendimento à mulher no município do Rio de Janeiro.

O atendimento começou às 8h e vai até às 16h desta quarta.

Números da violência

Até 30 de setembro, o Nudem atendeu 907 casos, sendo 52% deles contra vítimas negras ou pardas e 48% contra mulheres brancas. Ainda segundo a pesquisa, 31% das mulheres têm apenas o Ensino Médio, mas são independentes financeiramente. A maioria delas também apontou o marido, o companheiro ou o ex-companheiro como o autor da agressão.

Você pode gostar