Por paulo.gomes

Rio - A Polícia Federal e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público realizam nesta quarta-feira a segunda fase da Operação Cocite. Os agentes têm com objetivo desarticular uma quadrilha responsável pelo comércio ilegal de produtos falsificados nos mercados populares de Volta Redonda. Vinte e oito pessoas foram denunciadas, entre elas cinco policiais civis e um policial militar.

Os crimes praticados pelo grupo variam entre a prática de pirataria, formação de quadrilha, corrupção ativa e passiva, além de usurpação de função pública. Estão sendo cumpridos cinco mandados de busca e apreensão no Rio, Barra Mansa e Volta Redonda. Também foram decretadas as prisões preventivas de Celso Vinícius Machado, o "Formiga" e dos policiais civis Guilherme Dias Coelho, conhecido como "Guilherminho", e Alexandre Antonio de Mello.

Já os agentes da Polícia Civil, Tyrone Assumpção de Macedo, Leonardo da Silva Podgorsky e Marcelo Pereira de Souza, e o PM Alexsandro Raimundo foram afastados de suas funções, através de uma decisão judicial, atendendo a requerimento dos promotores que subscreveram a denúncia.

De acordo com as investigações, os crimes aconteciam nos mercados populares da Avenida Marechal Peixoto e Vila Santa Cecília, em Volta Redonda. Através de testemunhas e interceptações telefônicas realizadas com autorização judicial, foi identificado um esquema de arrecadação de dinheiro e pagamento de propina para alguns policiais da região. Objetivo era que a comercialização ilegal de produtos piratas como CD's e DVD's pudesse ser feita sem qualquer repressão.

Você pode gostar