Por marlos.mendes
Publicado 30/11/2015 00:34 | Atualizado 30/11/2015 02:21

Rio - Vinte dias após balear o bancário Marco Antônio Pereira, de 51 anos, carona de veículo que teria furado blitz da PM na Praça Seca, Zona Oeste, o subcomandante do 9º BPM (Rocha Miranda), major Carlos Ludwig, se envolveu em mais uma confusão. Ele foi preso administrativamente na noite de sábado, por ter participado de festa nas dependências do batalhão, supostamente com consumo de bebida alcoólica. Outros excessos também teriam ocorrido, disseram testemunhas.

Em nota, a PM informou que ‘o comando do 9º BPM abriu uma averiguação sumária e identificou indícios de irregularidades cometidos pelo major Ludwig, que foi preso administrativamente no 27º BPM (Santa Cruz) e será transferido para a Diretoria Geral de Pessoal (DGP). A partir das medidas iniciais tomadas pelo comando do batalhão, será instaurado um procedimento apuratório para esclarecer o fato na sua totalidade’.

Mensagens supostamente enviadas por policiais do quartel ao WhatsApp de O DIA (98762-8248), relatam que o oficial da PM teria bebido várias latinhas de cerveja no evento. Consultada, a PM informou que a Corregedoria Interna da corporação instaurou um Inquérito Policial Militar (IPM) para apurar o fato.

No incidente na Praça Seca, na madrugada do dia 8, o bancário Marco Antônio perdeu um rim e parte do intestino em decorrência do tiro que o atingiu. Na ocasião, o major foi afastado da função e teve a arma apreendida.

Você pode gostar