Costa Barros: Comando da PM abre processo que pode expulsar policiais presos

Em nota, a corporação classificou o episódio como 'trágica ocorrência'

Por O Dia

Rio - O Comandante-Geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro, coronel Alberto Pinheiro Neto, determinou, nesta terça-feira, que os policias presos em  razão da morte de cinco jovens em Costa Barros sejam submetidos - de imediato - ao Processo Administrativo Disciplinar que julgará a exclusão dos mesmos. Na nota, a corporação classificou o episódio como 'trágica ocorrência'.

Justiça converte em preventiva a prisão de PMs acusados de matar jovens 

Foi convertida em preventiva a prisão em flagrante dos quatro PMs acusados de matar cinco jovens próximo ao Morro da Lagartixa, em Costa Barros, na Zona Norte do Rio, no último sábado. Os soldados Thiago Resende Viana Barbosa e Antônio Carlos Gonçalves Filho, o sargento Márcio Darcy Alves dos Santos e o cabo Fabio Pizza Oliveira da Silva eram lotados no 41º BPM (Irajá), foram presos por homicídio qualificado e fraude processual e estão presos no novo Batalhão Especial Prisional (BEP) da Polícia Militar, em Niterói, na Região Metropolitana do Rio desde então.

Jovens foram fuzilados dentro de carro. Veículo tem mais de 50 marcas de tirosMarina Brandão / Agência O DIA

O processo tramita na 2ª Vara Criminal do Rio de Janeiro, e a decisão foi tomada pelo juiz Sandro Pitthan Espíndola, do Plantão Judiciário.

Wilton Esteves Domingos Júnior, de 20 anos, Wesley Castro Rodrigues, de 25 anos, Cleiton Corrêa de Souza, de 18 anos, Carlos Eduardo da Silva de Souza, de 16 anos, e Roberto de Souza Penha, de 16 anos, foram mortos após serem baleados no carro em que estavam, nas proximidades do Complexo da Pedreira. Segundo os autos processuais, as vítimas tinham voltado de um passeio no Parque Madureira e resolveram sair novamente para fazer um lanche quando foram surpreendidas pelos tiros disparados por PMs na Estrada João Paulo.

De acordo com parentes e amigos das vítimas eles eram inocentes. Segundo testemunhas, os PMs confundiram os rapazes com bandidos que estariam fazendo escolta de um caminhão com carga de bebidas, roubado na Avenida Brasil e que estava sendo levado para a comunidade. O carro ficou com mais de 20 perfurações. De acordo com testemunhas, os PMs ainda plantaram armas no local do crime. A perícia encontrou uma pistola de brinquedo e um revólver calibre 38 com duas cápsulas deflagradas. Em um vídeo que circula na internet, uma arma aparece caída perto de uma das rodas do carro fuzilado. Todos os jovens foram enterrados nesta segunda-feira.


Últimas de Rio De Janeiro