Por paulo.gomes

Rio - Alunos da Uerj realizam nesta quarta-feira o segundo dia da ocupação da universidade no campus do Maracanã. Os universitários também estão nos prédios onde são realizadas as aulas de química, biologia e física e no bloco do Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes (Ibrag). Apenas funcionários terceirizados e estudantes estão tendo acesso ao local.

A ocupação acontece por conta dos cortes feitos pelo governador Luiz Fernando Pezão e contra o não pagamento de bolsistas, residentes e de funcionários terceirizados. O repórter Daniel Penna-Firme, do SBT, relatou em seu Facebook que foi agredido por um aluno. Segundo seu relato, ele xingado durante uma reportagem na universidade.

Cerca de 300 alunos estão no local desde a noite da última segunda-feira. Eles estão recebendo material de higiene pessoal, água e alimentos. No dia seguinte, o Diretório Central dos Estudantes (DCE) criticou ainda a falta de informação sobre o pagamento das bolsas de auxilio-permanência, garantidas através da lei 5346, de 11 de dezembro de 2008, que dispõe sobre o sistema de cotas na Uerj.

"Uma universidade popular não pode ignorar mais da metade dos seus estudantes que dependem desse dinheiro para chegar e permanecer em seu local de estudo", explicou o DCE, pedindo a suspensão do calendário acadêmico até que as bolsas estudantis sejam pagas.

Você pode gostar