Menina é abusada sexualmente na saída da escola

Pai conta que estudante está em pânico após ser perseguida, estuprada e roubada em Irajá

Por O Dia

Rio - Uma jovem de 19 anos foi vítima de estupro em Irajá, na Zona Norte, na noite de segunda-feira. Ela tinha acabado de sair de uma aula, na Escola Estadual Mário Tamborindeguy, quando foi perseguida por um homem que a atacou com uma faca. Ela foi abusada sexualmente por mais de 20 minutos. O caso foi registrado na 27ª DP (Vicente de Carvalho).

Músico está desesperadoMaíra Coelho / Agência O Dia

De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), entre janeiro e outubro deste ano, foram registrados 17 casos na área da 27ª DP (Vicente de Carvalho).Segundo o pai da menina, um músico, a jovem tinha deixado a unidade escolar por volta das 20h30, na companhia de outras duas amigas. Após caminhar por alguns metros, foi abordada. Ainda de acordo com ele, o agressor, que estaria escondido no pátio da escola, deixou que as amigas da filha fugissem.

“Estou arrasado. Acredito que só por ela estar de uniforme, foi a única atacada. Foram 20 minutos de terror na vida da minha filha”, lamentou o pai da estudante, que pediu para não ser identificado. <CW-10>A jovem ainda teve o celular roubado. “Ela está em pânico e não quer ir para a rua. Pediu que não divulgasse o caso porque sente vergonha, mas só vou descansar quando ver esse monstro na cadeira”, disse emocionado o músico.

Ele contou ainda que a família também ficou preocupada com possível contaminação de DSTs. “Ela teve que tomar remédios”, lembrou. A Polícia Civil afirmou que familiares prestaram depoimento, e agentes estão em diligências na busca de imagens de câmeras de segurança e informações que possam ajudar no caso.

IMAGENS DE CÂMERAS

A direção da Escola Mário Tamborindeguy informou que, de acordo com os relatos do porteiro que controlava o acesso à escola, não foi constatada a presença de nenhuma pessoa estranha no interior da unidade.
No entanto, a direção está analisando as imagens do circuito interno de câmeras para buscar informações que confirmem o relato do porteiro. A unidade conta com quatro porteiros, segundo funcionários.

Últimas de Rio De Janeiro