Bairros de Mesquita têm comércio fechado por ordem do tráfico de drogas

O motivo seria uma retaliação à morte do chefe do tráfico da comunidade do Sebinho, durante uma operação

Por O Dia

Rio - Quatro bairros de Mesquita, na Baixada Fluminense, tiveram o comércio fechado nesta quarta-feira por ordem do tráfico de drogas. O motivo seria uma retaliação à morte do chefe do tráfico da comunidade do Sebinho, no bairro Banco de Areia, durante uma operação na madrugada de ontem. O criminoso não teve o nome divulgado pela polícia. A comunidade foi ocupada por tempo indeterminado.

Ruas de bairros como Cosmorama, BNH e Vila Norma, também ficaram desertas. Por conta do medo que ronda a região, uma escola municipal e duas unidades estaduais tiveram suas aulas suspensas. Nas redes sociais, moradores contaram que criminosos ordenaram para que ninguém saísse nas ruas à noite.

Lojam fecharam as portas por ordem de traficantesIvan Teixeira / Jornal de Hoje

“No sábado, durante uma operação, um dos nossos policiais foi atingido com um tiro na boca. Traficantes do Complexo do Alemão (na Zona Norte) tentaram invadir o Sebinho, mas evitamos isso. O policiamento foi reforçado”, garantiu o comandante do 20º BPM (Mesquita), o tenente-coronel Roberto Christiano Dantas.

Ainda segundo ele, na operação no Sebinho, foram apreendidas uma pistola 9 milímetros fabricada na Turquia, um radiotransmissor e 58 pinos de cocaína. O registro foi feito na 56ª DP (Comendador Soares).

A Prefeitura de Mesquita informou que a Escola municipal de Educação Infantil Paulo Freire, na Rua Barros Peixoto, em Banco de Areia, foi a única que teve suas atividades interrompidas. Já a Secretaria estadual de Educação afirmou que o Colégio Estadual Vila Bela, em Rocha Sobrinho e o Ciep 100 - São Francisco de Assis, em Banco de Areia, suspenderam suas atividades e aproximadamente 1.300 alunos ficaram sem aula.

As Unidades Básicas de Saúde dos bairros Cosmorama, Vila Norma, Banco de Areia e Maria Cristina também estão fechadas, segundo a Secretaria municipal de Saúde.

Últimas de Rio De Janeiro