Comissão de Educação pedirá aumento para orçamento da Uerj

Deputado quer investigar contratos da instituição com empresas terceirizadas

Por O Dia

Rio - A Comissão de Educação da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) decidiu, em audiência pública realizada nesta quarta-feira, que fará uma indicação de emenda à Lei Orçamentária Anual (LOA) para que o orçamento das universidades públicas seja recomposto. Segundo o presidente da comissão, deputado Comte Bittencourt, devido à crise, diversos setores da economia tiveram de sofrer cortes, porém o das universidades públicas teria sido muito rígido.

“Nós vamos encaminhar pedido à Comissão de Orçamento para que o corte das universidades públicas seja no mesmo nível dos demais setores do estado. No orçamento das universidades o corte foi de 34%, enquanto em outros setores foi de 16%”, afirmou Bittencourt.

Os alunos que ocupam a UERJ desde a semana passada, em protesto, também estiveram presentes na reunião da comissão. George Torno, representante do Diretório Central de Estudantes (DCE) afirmou que o ajuste é necessário. “O orçamento para 2016 tem de ser alterado. É inviável que a UERJ receba menos recursos ano que vem. A situação vai ficar ainda mais insustentável.”

A nova reitoria, recém-eleita, foi representada pela vice-reitora Maria Georgina Muniz, que destacou que a união e o diálogo com os parlamentares, estudantes e com os terceirizados é fundamental. “Nosso mote é exatamente o diálogo e a transparência. Temos de achar juntos soluções para resolver os assuntos na UERJ, que é a nossa casa.”

Reunião da Comissão foi acompanhada por alunos da UerjDivulgação

Investigação 

A Comissão também vai pedir a revisão de todos os contratos da instituição com empresas terceirizadas para investigar possíveis irregularidades. De acordo com o presidente da comissão, a intenção é saber qual a realidade financeira da Uerj. Ele estranha o fato de a empresa Cuidar, responsável pela limpeza da universidade, estar com todos os contratos quitados e ainda assim seus funcionários terem cruzado os braços. "Pelo que a gente levantou, 92% do contrato foi liquidado e pago. É no mínimo estranho a empresa parar suas atividades por conta de atraso no pagamento de seus funcionários", comentou Bittencourt.

Outras atividades


A comissão pretende visitar também os polos educacionais de Caxias e São Gonçalo, para averiguar o espaço físico, conhecer as demandas e necessidades, além de ouvir toda a comunidade acadêmica, como os estudantes, professores e técnicos, para então sugerir melhorias.


Últimas de Rio De Janeiro