Hospital do Fundão afunda na penúria e restringe atendimentos

Unidade sofre com falta de medicamentos e insumos. No estado, mais protestos

Por O Dia

Rio - A crise continua a golpear a saúde do Rio. Na manhã de ontem, o Hospital Universitário Clementino Fraga Filho, no campus da UFRJ no Fundão, suspendeu parte das atividades devido à falta de medicamentos e insumos. No Hospital Estadual Getúlio Vargas, na Penha, que também carece de material, funcionários realizaram passeata exigindo o pagamento de novembro e o 13º. Para evitar colapso no fim de ano, o governador Pezão determinou que militares, como bombeiros, ajudem no atendimento nas unidades de saúde, e até as Forças Armadas podem ser convocadas no mutirão.

No Hospital do Fundão, a direção reclama de dívida de quase R$ 8 milhões por problemas no repasse de verbas. Para priorizar as operações de emergência, foram canceladas 115 cirurgias e consultas. Cirurgias e internações seletivas estão paralisadas desde o mês passado. Não há previsão de retorno. “A falta de medicação é problema crônico, mas nos últimos meses está crítica”, lamentou o residente clínico Rachid Montenegro. Residente em oncologia, a estudante Tatiana Barros denunciou a falta de medicamentos essenciais para a quimioterapia. “O câncer progride rápido se não for tratado, e não temos nem sequer equipamento para checar o estágio da doença”, contou.

Residentes e funcionários do Hospital Universitário Clementino Fraga Filho%2C no Fundão%2C protestaram ontem de manhã na porta da unidadeCacau Fernandes / Agência O Dia

Pacientes prestaram apoio aos manifestantes. Vítima de grave doença autoimune, a costureira Sumaia Bianca foi operada lá há 25 anos. “Não tenho mais onde me tratar. Há três dias eu estava internada aqui. Se precisar voltar amanhã, não serei recebida”, protestou.

ESTOQUE QUASE ZERADO

De acordo com o diretor Eduardo Cortês, se a medida de suspensão não fosse tomada, a unidade poderia não ter como comprar medicamentos. “Não podemos chegar ao ponto de zerá-lo. Daí tivemos que interromper o máximo possível de atendimento. É uma decisão muito difícil”, lamentou.

No Getúlio Vargas, o atraso dos salários não poupou ninguém. “Todos os setores estão funcionando precariamente, pois muitos médicos pediram demissão. Um dos CTIs está fechado, e se continuar assim teremos que parar as internações” afirmou o maqueiro Fábio Colaris. 

Secretaria estadual diz se esforçar e garante que mutirão é normal

Em nota, a Secretaria de Estado de Saúde afirmou que vem reunindo esforços para manter suas unidades funcionando. Entretanto, a situação só deve se normalizar mediante repasses do governo para o Fundo Estadual da Saúde e o pagamento das Organizações Sociais e seus fornecedores.

Sobre o pedido de ajuda a militares, publicado nesta quinta-feira no Diário Oficial do Estado, a secretaria informou que a medida já foi usada em outras situações e trata-se de ação preventiva. Servidores devem estar disponíveis para oferecer insumos, equipamentos e mão de obra de hoje ao dia 7.

Rachid%2C residente da clínica%2C reclama da farmácia vazia%3B Sumaia teme se barrada se tiver nova criseCacau Fernandes / Agência O Dia

Na rede municipal, um revés. A 4ª Vara da Fazenda Pública da Capital proibiu a prefeitura de contratar a OS Instituto Unir Saúde, que respondia pela Coordenação de Emergência Regional da Barra. Há denúncias de irregularidade nos convênios com a entidade, que desde 2012 recebeu quase R$ 150 milhões do município. A OS é investigada por fraudes na gestão dos hospitais Ronaldo Gazzola e Pedro II. Os donos, os irmãos Wagner e Valter Pelegrine, estão presos.

Reportagem da estagiária Clara Vieira

Últimas de Rio De Janeiro