Nova 'praia' do Complexo Esportivo de Deodoro ‘bomba’ logo no início de 2016

Moradores da região aproveitam o lago artificial, aberto ao público, para se refrescar do calorão do verão

Por O Dia

Rio - Se o ditado popular diz que “quem não tem cão, caça com gato”, os moradores da região de Deodoro provam que quem não tem praia, vai ao piscinão. Já nos primeiros dias do ano da Olimpíada, o Parque Radical do Complexo Esportivo de Deodoro está a todo vapor. Inaugurada no último dia 23 de dezembro, a área de 500 mil metros quadrados — com capacidade para 3 mil pessoas — se tornou o segundo maior parque da cidade, atrás apenas do Parque do Flamengo. Palco das competições de Canoagem Slalom, ciclismo BMX e Mountain Bike durante os Jogos, o complexo fica aberto ao público até dia 1º de março, quando será entregue ao Comitê Olímpico para as últimas obras. Enquanto isso, os moradores comemoram a alternativa para escapar do calorão.

Lago artificial a ser usado nos Jogos se transformou em um piscinão. Apesar do tempo encoberto%2C no fim de semana%2C teve muita procuraSeverino Silva / Agência O Dia

“É a primeira vez que venho e achei ótimo. A Praia da Barra fica a uma hora e meia de viagem, enquanto para cá levo 10 minutos a pé. Além disso, valorizou muito minha casa”, elogiou o metalúrgico Wilton Oliveira, de 57 anos, que vive em Ricardo de Albuquerque. A esposa Ruth, de 64 anos, também aprovou o novo piscinão. “A gente costumava ir para o Parque Madureira, mas este ficou ainda melhor”, afirmou. A neta do casal Camila, de 11 anos, contou ter se divertido bastante. “Moro perto da praia, mas gostei bastante daqui. A água estava bem limpa", disse a menina.

O lago artificial tem três níveis de profundidade, sendo que a área mais funda é fechada para o público, devido ao risco de afogamento. Há ainda uma área infantil, de apenas meio metro de altura.

A estrutura conta ainda com chuveiros, espreguiçadeiras e quinze bebedouros, a maioria ainda lacrados. Dos oito banheiros masculinos e femininos, apenas quatro são abertos por vez, para o controle da higiene. No momento da visita da equipe do DIA, no entanto, faltava água nas torneiras e nas descargas dos sanitários femininos. O Parque Radical funciona das 9h às 18h, de quarta a domingo, com entrada gratuita.

A limpeza parece ser uma forte preocupação. Além de várias lixeiras ao redor da piscina, placas alertam quanto à proibição de entrada com comidas e bebidas na água. De tempos em tempos, um grupo de animadores contratados pelo parque anuncia as regras pelo microfone. Apesar dos esforços, no sábado, havia restos de comida e tampas de garrafa PET na água. “Tinha de ter multa de R$ 50 por latinha jogada. Duvido que alguém fosse encarar”, brincou Wilton Oliveira.

Revista na entrada do parque

Embora seja proibido comer e beber na água, os frequentadores podem levar lanches próprios para o parque. Há ainda ‘food-truck’ credenciada, que vende churrasquinhos, cachorro-quente e outros quitutes a preços entre R$ 6 e R$ 10. Cervejas e refrigerantes custam R$ 4, e garrafa de água sai a R$3.

O esquema de segurança do Parque Radical foi elogiado por frequentadores. A entrada de objetos cortantes — inclusive garrafas de vidro — é proibida. “Ao entrar, fui revistada duas vezes. Abriram até as bolsas das crianças. Tomara que continue assim, para que possamos trazer a família com tranquilidade”, elogiou a auxiliar de fábrica Alessandra Galvão. Na entrada, todos devem apresentar documento de identidade e fazer cadastramento. Após os Jogos, parte da área do complexo voltará a ser aberta à população. A pista de mountain bike, no entanto, será desativada.

Últimas de Rio De Janeiro