'Cidade está um caos', diz cobradora de ônibus onde passageiro foi morto

Criminosos teriam feito arrastão na Avenida Brasil e passageiro foi atingido na cabeça quando ônibus passava no local

Por O Dia

José Carlos Bueno Santos morreu com um tiro na cabeça dentro de um ônibus na Avenida Brasil%2C na Vila do João%2C após um tiroteio na regiãoReprodução Facebook

Rio - Os tiros que atingiram o ônibus da linha 483 (Penha / Copacabana) e mataram o passageiroJosé Carlos B. Santos, 51 anos, teriam sido disparados por traficantes que atuam na Vila do João, no Complexo da Maré, que atiravam contra um grupo que realizava um arrastão na Avenida Brasil e correram em direção da comunidade, de acordo com testemunhas. 

De acordo com a cobradora Maria das Graças Teixeira, havia cerca de 20 passageiros no ônibus quando os tiros começaram, provocando pânico. "Foi um susto e tanto. Esta cidade está um caos, acabaram atingindo alguém que não tinha nada a ver. No momento muitas pessoas se jogaram no chão, gritando. Foi um desespero", contou.

O veículo seguia no sentido Penha da Avenida Brasil e se preparava para deixar o ponto de ônibus quando começaram os tiros. "Eu parei no ponto, os passageiros entraram e eu percebi uma correria logo a frente. Assim que saí com o carro, os tiros entraram pela janela", disse o motorista João Milton de Souza. Após perceber que um dos passageiros tinha sido baleado, ele ainda andou pelo menos 200 metros até avistar uma viatura da PM. "Ficamos tão desesperados que não conseguimos ver quem foi que atirou", relatou.

O pastor Sergio José Bueno, irmão da vítima, disse que ele trabalhava como vigilante em um hotel em Copacabana e estava voltando para casa, na Penha, quando foi atingido. Ele deixa mulher, com quem estava há cerca de quatro anos, e uma filha com 19 anos. Segundo o irmão, ele se aposentaria em dois anos. "A dor é muito forte, mas Deus vai nos confortar. Ele nunca reclamou da violência nem tinha medo do trajeto, mas infelizmente sabemos como está o país de modo geral", lamentou, dizendo que o José era calmo e religioso. "Não vamos acompanhar o caso de perto nem ficar em cima porque não adianta, agora já aconteceu e vamos deixar na mão de Deus. Que seja feita Justiça", pediu.

A perícia foi realizada e a Defesa Civil chegou para remover o corpo da vítima por volta das 11h. O veículo também foi periciado. O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios da Capital.

Tentativa de assalto na Avenida Brasil terminou com um passageiro de um ônibus morto com um tiro na cabeçaSeverino Silva / Agência O Dia

Reportagem de Maria Clara Vieira

Últimas de Rio De Janeiro