Enem: Passaporte para estudar nas melhores faculdades

Inscrições no Sisu começam amanhã. Notas valem até para cursos no exterior

Por O Dia

Rio - O Eem é mais do que um passaporte para entrar nas melhores universidades brasileiras. O Exame Nacional do Ensino Médio também serve para quem quer cursar faculdades fora do país. Algumas instituições de prestígio acadêmico internacional, como a Universidade de Coimbra, em Portugal, já aceitam as notas do Enem como critério de acesso de novos alunos por meio do programa Ciência Sem Fronteiras.

Para quem quer fazer o curso superior no Brasil, os próximos três dias são decisivos. A partir de amanhã, os candidatos que fizeram o Enem e não zeraram a redação começam a disputar 228 mil vagas em 131 instituições públicas de ensino superior que participam do Sistema de Seleção Unificada (Sisu). O Rio de Janeiro é o estado com o maior número de faculdades federais no programa: oito.

O resultado da primeira chamada sairá no dia 18, e as matrículas ocorrem de 22 a 26 de janeiro. Quem não for selecionado pode tentar a lista de espera, que ficará aberta até 29 de janeiro. Para as faculdades particulares e para o Ciências Sem Fronteiras, os prazos variam de acordo com a instituição.

Lucas Figueiró e a namorada Letícia Câmara querem se inscrever no Sisu e entrar numa boa universidadeMárcio Mercante / Agência O Dia

A chance de fazer faculdade em outros estados e até mesmo em outros países tem atraído o interesse de centenas de jovens, mas muitos desistem no meio caminho por conta do custo de viver longe da casa dos pais. Lucas Figueiró Câmara, de 20 anos, chegou a se matricular no ano passado em Engenharia Ambiental na Universidade Federal da Bahia, mas desistiu assustado com as contas.

Lucas agora aposta em Niterói e sonha em ser aluno da Universidade Federal Fluminense. “Vou ficar de olho todos os dias no Sisu para encontrar a melhor chance para mim”, diz Lucas.

Professores ouvidos pela reportagem do DIA concordam com Lucas e ensinam uma série de dicas para os candidatos acharem boas oportunidades no Sisu. “Visitar a página do Sisu várias vezes durante o período de inscrição e fazer um monitoramento das variações das notas de corte de cada curso é fundamental para que o candidato tome uma decisão bem embasada sobre o curso e a faculdade em que irá se inscrever”, ensina o professor Camilo de Góes Monteiro David, coordenador do Colégio Miguel Couto.

Das piscinas até a Academia

Campeão de natação pelo Fluminense e morador de Maricá, na região dos Lagos, Diego de Abrantes Vieira, 17 anos, acorda todos os dias às 4h45 para treinar nas piscinas do tricolor. A rotina no esporte lhe ensinou a ficar calmo às vésperas de disputas, mas ele confessa ansiedade para acessar o Sisu e conseguir uma vaga na universidade. Ele sonha em cursar engenharia na UFF ou na UFRJ, e ainda não sabe se quer mecânica ou elétrica. Sua estratégia para navegar no Sistema de Seleção Unificada já está definida. “É melhor se inscrever no final, porque você tem certeza do que está fazendo e sabe que a nota de corte não vai mudar muito”, aposta.

A estudante Letícia Câmara, de 18 anos, não conseguiu passar no Enem 2015, mas está confiante que agora será uma aluna de Engenharia Ambiental. Ela também já escolheu sua tática para enfrentar os próximos dias e noites navegando no site do Sisu. “É muito importante acompanhar diariamente a nota de corte. No ano passado, eu fiquei acompanhando. Talvez eu tivesse até chance de passar, mas nem sabia como funcionava. Este ano estou mais atenta”.

Diego Abrantes e os paisarquivo pessoal

Universidades dos sonhos

Para entrar na maior federal do país — e a melhor em muitas carreiras — o candidato precisa de um bom desempenho em redação. Todos os cursos da Universidade Federal do Rio de Janeiro dão peso três para a nota da redação. A UFRJ oferece mais de 9.300 vagas no Sisu, sendo a metade para cotistas.

Nos rankings brasileiros e internacionais, outra universidade do Estado do Rio aparece com elevado padrão de excelência. É a Federal Fluminense, em Niterói. Ela colocou 4.937 vagas no Sisu em 2016.

Para quem pretende atravessar a divisa do estado, o Sisu oferece opções até na melhor universidade da América Latina, a USP, única instituição do pais que consta de rankings internacionais das 100 melhores do mundo. Para estudar em seus campos, os candidatos devem ter alcançado, no mínimo, 600 pontos no Enem.

Para faculdades privadas, há duas opções para quem fez o Enem: o ProUni e o Fies. O ProUni oferece bolsas parciais e integrais, em mais de mil faculdades do país, de acordo com as condições econômicas dos candidatos. Já o Fies é uma alternativa de financiamento do curso com juros baixos. Universidades renomadas como a PUC aceitam o Fies.

Fora do Brasil, Portugal é o país com mais universidades que adotam a nota do Enem como passaporte de ingresso: 15 instituições da terrinha acolhem brasileiros com bom desempenho no exame. Os custos variam entre 7.500 euros e 16.500 euros, incluídas hospedagem, material escolar e transporte.

DICAS PARA USAR O SISU

O professor Camilo Góes Monteiro David, coordenador do Colégio e Curso Miguel Couto, dá dicas para quem quer aproveitar todas as chances oferecidas pelo Sisu para entrar numa boa universidade pública.

É recomendado colocar como primeira opção o curso que o estudante realmente quer fazer e, como segunda opção, um curso com concorrência menor que a primeira?
Sim, a primeira opção é aquela em que o aluno concorre nas listas de reclassificação. Deve ser, portanto, a escolha que o aluno pretende insistir até o final. A segunda opção, ainda que o aluno seja chamado e efetue matrícula, não impede que ele continue concorrendo nas reclassificações da primeira opção. Por isso, a primeira opção é a do curso dos sonhos.

O que acontece se ele for chamado para o curso que colocou como primeira opção em uma reclassificação é que terá que assinar um termo abrindo mão da vaga no curso da sua segunda opção, caso tenha se matriculado.

Vale a pena optar por vagas para cotas ou pode ser mais concorrido?
Quanto às cotas, embora em alguns cursos a concorrência seja consideravelmente grande, as notas costumam ser menores. Então se o aluno de fato se enquadra no perfil e tem direito a algum tipo de ação afirmativa, no geral vale a pena fazer uso desse direito.

O candidato deve se inscrever no Sisu no início, meio ou final do prazo para ter mais chance?
É importante lembrar que o aluno pode mudar de opções várias vezes ao longo do Sisu. Valerá a escolha final do aluno, aquela que estiver no momento do encerramento das inscrições.

Como deve ser o monitoramento da nota de corte? Quando deve ser feita a inscrição, no primeiro ou no último dia ?
Sugiro sempre que os alunos se inscrevam no primeiro dia, para ter uma perspectiva inicial e poder orientar suas escolhas. É importante lembrar que o aluno pode mudar de opções várias vezes ao longo do Sisu.

Valerá a escolha final do aluno, aquela que estiver no momento do encerramento das inscrições. Agora, muitos alunos com notas altas deixam para se inscrever nos últimos instantes, elevando muito a nota de corte em algumas carreiras, no último dia. Daí a importância em monitorar o Sisu diariamente.

Quais os cuidados no momento final da inscrição?
No último momento da inscrição, ainda que a nota na primeira opção não esteja dentro do corte, mas também não esteja tão distante, pode valer a pena manter a opção do curso dos sonhos. As desistências acontecem.

No caso do Rio, há alunos que passam também para a UERJ e desistem da vaga pelo Sisu, ou mesmo alunos que conseguem bolsas em universidades particulares de referência, como a PUC e a FGV. Por isso, mesmo não estando dentro do corte, mas estando a uma distância razoável, vale persistir.

Há dicas sobre o turno a ser escolhido?
O turno da manhã geralmente tem maior concorrência. Também é importante lembrar que as vagas para o segundo semestre costumam ser menos concorridas e ter menor nota de corte do que as do primeiro semestre.

NÚMEROS
Vagas em 131 universidades de todo país estão à disposição dos candidatos no Sisu a partir de amanhã. Instituições públicas do Estado do Rio oferecem vagas no Sisu para quem não zerou a redação.

Últimas de Rio De Janeiro