Por luis.araujo
Publicado 10/01/2016 13:42 | Atualizado 10/01/2016 23:50

Rio - Ocupado há um mês pelas tropas do Comando de Operações Especiais (COE), a elite da PM, a favela do Jacarezinho teve neste domingo uma madrugada de intenso tiroteio, que começou às 16h de sábado. No confronto, o soldado do Batalhão de Choque (BPChoque) Ezequias da Rocha foi baleado numa das pernas e na barriga. Ele foi operado no Hospital Central da PM, no Estácio, e passa bem.

Imagem enviado ao WhatsApp do DIA (98762-8248) mostra o caveirão dentro da comunidade do JacarezinhoWhatsApp O DIA (98762-8248)

Levantamento do DIA mostra que o PM ferido ontem no Jacarezinho é o décimo baleado em dez dias. Além do medo, os moradores tiveram que passar a noite também sem luz porque os tiros acertaram um transformador. Desde o início da manhã, técnicos trabalhavam para restabelecer totalmente o fornecimento de energia.

ÁUDIOS

Whatsapp do DIA (98762-8248) recebeu áudio de PMs e moradores relatando o pânico na favela. “Muito tiro, irmão. Muito tiro. O mundo está se acabando de bala lá”, disse um policial militar, que se identificou como Constantino e que socorreu o soldado ferido.

“Foi muito rápido, irmão. Logo que entrou pelo Abóbora, já tomou (tiro) já”, afirmou o policial. Segundo ele, os bandidos continuaram atirando mesmo na hora em que o PM estava sendo socorrido. “Quando o blindado chegou e abriu a porta deram (tiro) na frestinha da porta. Ficaram sustentando bala, granada”, contou outro militar.

Devido ao tiroteio, os moradores passaram a madrugada sem dormir. “Muitos tiros, parece guerra. Parecia que as balas estavam dentro do meu quarto”, desabafou um morador que não se identificou. “Policial escolheu ser policial e bandido escolheu ser bandido. Mas, nós, não escolhemos ser vítimas”, reclamou uma moradora.

LEIA: Policial militar é baleado durante tiroteio na comunidade do Jacarezinho

?Outra moradora reclamou que não conseguiu entrar na comunidade ontem pela manhã. “As pessoas voltaram do trabalho ontem e não conseguem ir para as suas casas”, queixou-se.

Em novembro, O DIA mostrou que os PMs da UPP do Jacarezinho passaram a resguardar apenas a sede da unidade e o entorno da favela. Foi interrompido o patrulhamento e o trabalho de polícia de proximidade, base do programa de pacificação das favelas. Desde então, a comunidade está ocupada por tempo indeterminado pelo COE.

O novo comandante-geral da PM, coronel Edison Duarte dos Santos Júnior, que assumiu o posto no último dia 1º, pediu à Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) um estudo sobre as UPPs. Ele quer saber exatamente o perfil de cada unidade para traçar ações a fim de melhorar a pacificação.

Tiros na Zona Sul do Rio

Em Copacabana, na Zona Sul, houve troca de tiro na Ladeira dos Tabajaras, no sábado e no domingo, e também no Morro da Coroa, em Santa Teresa, no sábado. Segundo a Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Copacabana, policiais realizavam patrulhamento de rotina pela Escadaria 460, por volta das 9h de ontem, quando criminosos começaram a atirar, assustando moradores.

Ainda segundo a polícia, os bandidos fugiram e deixaram para trás dois carregadores de pistola, 25 munições, um radiotransmissor e oito pinos de cocaína.

Material apreendido pelos policiaisDivulgação


Você pode gostar