Pedro Paulo não vê problemas em contratar OS negativada junto ao Serasa

Hospital Maternidade Therezinha de Jesus está sendo processada por dever R$ 650 mil a fornecedor

Por O Dia

Rio - O secretário de coordenação de Governo, Pedro Paulo Carvalho, afirmou nesta quarta-feira que não vê problema na Organização de Saúde (OS) Hospital Maternidade Therezinha de Jesus (HMTJ) estar negativada junto ao Serasa, como divulgou a edição de hoje de O DIA. A entidade, que foi contratada por R$ 260 milhões para administrar o Hospital Rocha Faria, em Campo Grande, está sendo processada pela Sanoli Indústria e Comércio de Alimentação por conta de uma dívida de cerca de R$ 650 mil.

"Uma certidão positiva de R$ 650 mil no Serasa não nos impede de fazer uma contratação que seja da HMTJ ou de outra OS. As instituições, empresas, pessoas físicas têm o seu dia a dia. Isso não impede a contratação. Se fosse uma divida maior, de dois, três ou vinte milhões...", disse Pedro Paulo, durante a inauguração da nova sala de espera para familiares no Hospital Albert Schweitzer, em Realengo.

A dívida da HMTJ é referente ao fornecimento de alimentação para as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Copacabana e Botafogo, que também são geridas pela instituição. A OS, com sede em Minas Gerais, tem uma ação movida pela Companhia Estadual de Gás (CEG). O motivo é a falta de pagamento das contas do Hospital da Mulher Heloneida Studart, em São João de Meriti, desde fevereiro de 2015. O valor da dívida é de R$ 73.650,12.

LEIA MAIS: Prefeitura contratou por R$ 260 milhões OS negativada junto ao Serasa

Pedro Paulo reforçou que a prefeitura vai avaliar cada um dos contatos com as OSs. "Nós temos critério de admissão e contratação. Uma certidão no Serasa não vai impedir a contratação", afirma.

Visitantes ficam no sol até a chegada do secretário

Antes da sala ser inaugurada, uma fila com cerca de 40 pessoas aguardava o horário da visita. No momento em que Pedro Paulo e o secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, chegaram ao Albert Schweitzer, todos puderam entrar já na sala climatizada. Sheila Romeu da Silva, que está com a irmã internada no local, questionou o motivo da sala só ter sido aberta na chegada dos secretários, e fez diversas cobranças sobre a situação do Hospital. "A gente agora está tendo acesso para cobrar, e vamos continuar em cima. É muito descaso com a população", afirmou Sheila. 

Ela fez cobranças a Pedro Paulo sobre o fato das pessoas estarem aguardando no sol, sendo que o local já poderia recebê-los.  A nova sala de espera é uma das primeiras mudanças realizadas pela prefeitura no Albert Schweitzer. Em menos de uma semana, a sala, que não tinha nenhuma serventia à unidade durante sua administração para o estado, foi transformada para melhorar o atendimento aos cidadãos. 

"Vamos melhorar outros espaços, como a enfermaria do 10º andar, investir na climatização das salas e segmentar as visitas. Já na semana que vem, inauguraremos um novo refeitório",  anunciou o secretário. 

Últimas de Rio De Janeiro